Fale Conosco

6 de março de 2015

Residentes do Hospital Arlinda Marques recebem orientações sobre antibióticos e infecção hospitalar



Dando continuidade ao ciclo de palestras promovido pelo Complexo de Pediatria Arlinda Marques, os residentes das áreas de Enfermagem, Nutrição, Fisioterapia e Farmácia participaram na manhã desta sexta-feira (6) da Oficina de Farmacologia: Aspectos Gerais Sobre Antibióticos, ministrada pelo perito oficial químico legal do Instituto de Polícia Científica (IPC) da Paraíba, Cibério Landim Macêdo.

Ainda dentro programação, à tarde, o professor Fábio Nitão ministrou uma aula sobre biotética\Ética Profissional, no auditório do Arlinda Marques, e a coordenadora do Núcleo de Vigilância Epidemiológica do Hospital, Thaisa Marta Pereira dos Santos Chaves, realizou uma oficina sobre Infecção Hospitalar no Centro Formador de Recursos Humanos (Cefor). O ciclo de palestras vai se estender até o dia 13 deste mês.

O diretor geral do Hospital Arlinda Marques, Bruno Leandro de Souza, explicou que esse tipo de evento, além de aprimorar ainda mais o aprendizado e o conhecimento serve também para aproximar os residentes do corpo clínico e administrativo do hospital. “Temos que aliar a prática diária dos profissionais à humanização dos serviços e esse é dos focos da nossa gestão”, destacou o diretor.

Cibério Landim Macêdo explicou que os antibióticos representam um grupo de medicamentos amplamente utilizados em nível hospitalar para tratar infecções. “Há uma série de fatores que justificam o uso criterioso desses medicamentos, como é o caso do tratamento mais adequado da patologia, do elevado custo desses medicamentos, de fatores relacionados à resistência bacteriana e efeitos indesejáveis”, afirmou.

De acordo com o perito, a oficina de farmacologia tem o intuito de atualizar os residentes com relação aos aspectos gerais dos antibióticos, contribuir com a formação desses profissionais e, ao mesmo tempo, proporcionar uma forma de atualização com relação à uma classe de medicamentos amplamente utilizada nos hospitais, cujo uso inadequado pode desencadear uma série de problemas e elevados custos.

Durante a oficina, foram discutidas as principais classes desses medicamentos, como é o caso das penicilinas, cefalosporinas, carbapenéns, glicopeptídeos, aminoglicosídeos, macrolídeos, polimixina B, metronidazol e quinolonas. “Em especial, aspectos relacionados a características gerais, atividade antimicrobiana, associação de antibióticos, indicações clínicas, via de administração e efeitos indesejáveis”, explicou.

Na opinião de Cibério Landim, a Residência Multiprofissional em Saúde da Criança (Remusc) do Complexo de Pediatria Arlinda Marques, vinculado à Secretaria de Saúde da Paraíba, vem contribuindo com o processo de melhoria contínua dos serviços oferecidos por essa unidade hospitalar. “Nesse sentido, uma série de cursos de aperfeiçoamento estão sendo oferecidos de forma gratuita aos alunos da residência multiprofissional e médica, além de funcionários do hospital” finalizou.