Fale Conosco

2 de julho de 2012

Regional de Saúde de Cajazeiras realiza 1º Curso de Atualização em Saúde Mental



A 9ª Regional de Saúde, com sede em Cajazeiras, realiza, a partir desta terça-feira (3), o 1º Curso de Atualização em Saúde Mental. O evento vai se estender até o dia 9, sempre no turno da noite (das 19h às 22h), no Campus da Universidade Federal de Campina Grande, em Cajazeiras, e tem como principal objetivo qualificar o atendimento nos serviços oferecidos pelos Centros de Atenção Psicossocial (CAPS).

A gerente da Regional de Saúde, Maura Vanessa Sobreira, explicou que a capacitação vai contemplar cerca de 40 profissionais de nível superior da rede substitutiva (CAPS) dos municípios de Cajazeiras, São João do Rio do Peixe e São José de Piranhas. “Esta capacitação será realizada pelo Governo do Estado da Paraíba em parceria com a Universidade Federal de Campina Grande, Campus Cajazeiras”, observou.

A gerente disse também que a Região de Saúde de Cajazeiras presta atendimento mensal a cerca de mil pessoas nos quatro serviços, sendo dois CAPS I, um infantil e um álcool e drogas.  Maura Vanessa adiantou que em breve será inaugurado um CAPS I na cidade de São José de Piranhas, o que vai elevar o número de atendimento mensal para 1,3 mil pessoas.

Veja o cronograma das atividades do evento:

Cronograma

 

Data

 

 

Temas

 

Palestrantes

03/07/2012 18:00- Abertura: Representante da SES; 9º GRS e UFCG.

19:00 – Atenção a Crise na Perspectiva da Atenção Psiquiátrica.

Maria Milaneide  e Silvia; Layani Andrade; Representante da UFCG.

 

 

Maria Milaneide (SES)

04/07/2012 19:00 – Oficinas Terapêuticas e Grupos em Saúde Mental. Álissan Karine Lima Martins
05/07/2012 19:00 – Matriciamento e equipe de Referência. Maura Vanessa
06/07/2012 19:00 – CAPS, Processo de trabalho em Saúde Mental. Sofia Dionízio Santos
09/07/2012 19:00 – Encerramento

 

Clínica Ampliada, Acolhimento e PTS (Projeto Terapêutico Singular).

Coord. da Saúde mental do Estado da Paraíba

(Shirlene)

 

Maura Vanessa

 

 

A Paraíba ocupa o primeiro lugar no País em número de Centros de Atenção Psicossocial (CAPS). Ao todo, são 73 centros em todo o Estado. A Paraíba ainda conta com 59 leitos psiquiátricos em hospitais gerais, 729 leitos em hospitais psiquiátricos credenciados pelo SUS e 16 leitos psiquiátricos de Urgência e Emergência. Anualmente, cerca de 40 mil pessoas são atendidas nos CAPS; destes, aproximadamente sete mil são usuários de crack, álcool ou outra droga.

Segundo a coordenadora do Núcleo de Saúde Mental da Secretaria de Estado da Saúde (SES), Shirlene Queiroz, isso é resultado de uma política de combate às drogas realizada pelo Governo do Estado. “O Governo entende a droga como uma questão intersetorial, e, por isso, produziu o Plano de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas, que foi composto em parceria com outros setores da sociedade civil atendendo a várias frentes, como a repressão qualificada, o tratamento, a reabilitação e as questões de prevenção”, afirmou.

O Governo Federal investirá até 2014 um total de R$ 4 bilhões no Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e outras Drogas em todo País. O dinheiro será aplicado em diversas ações de políticas públicas integradas em setores como saúde, educação, assistência social e segurança pública.

Shirlene Queiroz viajou a Brasília este mês com a secretária de Estado do Desenvolvimento Humano, Aparecida Ramos, e o coordenador de Políticas Contra as Drogas do Estado, Pastor João Filho, para pleitear junto ao Ministério da Justiça a inclusão da Paraíba como Estado prioritário no plano de combate ao crack. “O Governo Federal lançou o plano ‘Crack: é possível vencer’ e a Paraíba não foi incluída como Estado prioritário. Fomos até Brasília para pleitearmos essa inclusão. Assim, a Paraíba receberá R$ 50 milhões do Governo em investimentos nessa área”, explicou.

Segundo Shirlene, a Paraíba pode comemorar esta data, pois conta com uma rede preparada para acolher e atender bem os dependentes químicos. “Além de ser o Estado no Brasil com mais CAPS, estamos pleiteando duas unidades de acolhimento, que são moradias transitórias para acolher os usuários, inclusive os de alta vulnerabilidade, que estão sob ameaça de morte, para que eles possam assim viver em um ambiente tranquilo, que zela por sua integridade física e moral. Além disso, aumentamos de 36 para 59 os leitos em hospitais gerais, e pretendemos duplicar esse número nessa gestão”, disse.

Modalidades de CAPS

Caps I – Localizados em municípios com população entre 20 mil e 70 mil habitantes. Funcionam de segunda à sexta, das 8h às 18h. Atendem pessoas com transtornos mentais e com problemas relacionados ao consumo de álcool e outras drogas;

Caps II – Com equipe multidisciplinar mais numerosa, os Caps II atendem situações de saúde mental nos municípios com população entre 70 mil e 200 mil habitantes, de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h;

Caps III – Esses serviços de saúde mental funcionam 24 horas, inclusive finais de semana e feriados, e podem ser implantados em municípios com mais de 200 mil habitantes;

Caps-AD – Cidades que tenham mais de 100 mil habitantes têm indicação de implantar CAPSad para atender pessoas que usam álcool e outras drogas;

Caps i – Serviços de saúde propostos para atender crianças e adolescentes com algum tipo de transtorno mental (incluindo álcool e outras drogas) em municípios com mais de 100 mil habitantes.