Fale Conosco

24 de agosto de 2012

Rede de Cardiologia realiza mini-simpósio para qualificar profissionais e melhorar diagnóstico



A Rede de Cardiologia Pediátrica (RCP) da Paraíba e de Pernambuco realiza, na próxima segunda-feira (27), um mini-simpósio sobre “Atualização em Cardiologia Pediátrica”. O evento acontecerá das 9h às 17h no auditório do Conselho Regional de Medicina, em João Pessoa e pretende reunir cerca de setenta profissionais de saúde que compõem a Rede de Cardiologia Pediátrica dos dois Estados.

O coordenador da Rede de Maternidades para o diagnóstico precoce da cardiopatia na Paraíba, Cláudio Teixeira Régis, explicou que apesar do mini-simpósio ser direcionado apenas ao pessoal da Rede de Cardiologia, o evento é aberto ao público e outros profissionais interessados no assunto podem participar.

Ele disse que o principal objetivo do mini-simpósio é qualificar os profissionais que compõem a Rede de Cardiologia para agilizar o diagnóstico de doenças cardíacas, fortalecer a assistência às crianças e o intercâmbio de informações entre os Estados da Paraíba e Pernambuco.

Cláudio Regis destacou que devido à facilidade de comunicação entre os 12 serviços de saúde que compõem a rede na Paraíba, crianças que chegam com problemas que não são cardíacos estão sendo avaliadas e encaminhadas para unidades de saúde que atendem a patologia. “Graças à internet, essa expansão está acontecendo porque os outros serviços estão acompanhando o nosso trabalho”, disse o médico.

Temas – Entre os temas que serão debatidos durante o mini-simpósio estão: “Exame Físico da Criança”; “Transferência do Recém Nascido Cardiopata”; “Cardiopatias Congênitas mais Frequentes”; “Teleconferência sobre a Rede de Cardiologia Pediátrica”; “Recepção da Criança no Pós-operatório de Cirurgia Cardíaca”;  “Complicações  mais Frequentes no Pós-Operatório de Cirurgia Cardíaca na Infância”; “ Drogas mais Usadas na Criança Cardiopata” e “Resultados da Rede”.

Balanço – De janeiro deste ano até agora, cerca de 10 mil crianças já foram avaliadas pelos 12 serviços que compõem a Rede de Cardiologia na Paraíba. Cláudio Regis afirmou que muitas dessas crianças foram submetidas a exames e outras passaram por cirurgias.

A rede é formada por 12 maternidades estruturadas para realizar o diagnóstico da cardiopatia e tem três serviços de referência: Cândida Vargas, em João Pessoa, o Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea),em Campina Grande, e Peregrino de Carvalho,em Patos. Na Capital, estão interligadas as redes as maternidades Frei Damião, Arlinda Marques e Hospital da Polícia Militar General Edson Ramalho. Na região de Campina Grande, estão ligadas as maternidades das cidades de Esperança, Monteiro e Picuí. E na área de Patos, estão interligadas as maternidades dos municípios de Itaporanga, Sousa e Cajazeiras.

Os médicos que participam da Rede de Cardiologia da Paraíba realizam uma triagem por meio do exame de oximetria em todos os recém-nascidos em até 24 horas após o nascimento. Trata-se de um exame que mede a saturação de oxigênio no sangue. Nos casos em que é detectada alguma anormalidade, os bebês são encaminhados para realizar exames mais aprofundados, como o ecofuncional.

O secretário de Estado da Saúde, Waldson Dias de Souza, afirmou que o Governo está ampliando a qualidade do acesso à saúde para aqueles que mais precisam dos serviços, utilizando equipamentos de ponta, oferecendo conhecimento científico na área e melhorando a infraestrutura dos hospitais. “Estamos melhorando e avançando nos serviços e capacitando os profissionais para oferecer assistência de qualidade à população, desde o atendimento ambulatorial até a alta complexidade. Esse é o compromisso que o Governo do Estado tem com o povo paraibano, mas para isso é necessário estruturar os serviços em rede e contar com o apoio de todos os técnicos de saúde”, disse o secretário.