Fale Conosco

7 de novembro de 2016

Projeto Panapaná traz exposição “A espera no campo de Centeio”, da artista Minna Miná 



funesc projeto panapana foto minna mina21 270x191 - Projeto Panapaná traz exposição “A espera no campo de Centeio”, da artista Minna Miná A artista visual Minna Miná abre, nesta terça-feira (8), a exposição “A Espera no Campo de Centeio”. A mostra será aberta às 19h e marca a inauguração do Espaço Expositivo Mezanino 2, que será batizado com o nome da artista Alice Vinagre no Espaço Cultural José Lins do Rego. A atividade faz parte do projeto “Panapaná, Novembro das Artes Visuais”, que a Funesc realiza de 3 a 16 de novembro.

“À Espera no Campo de Centeio” é uma exposição de 17 trabalhos em técnica mista (aquarela, acrílica e nanquim) norteados pela espera da passagem do tempo juvenil que precede a vida adulta. Os trabalhos recriam um percurso lúdico do crescimento inevitável da adolescência como tentativa última de reter o tempo mítico que habita em todas as crianças.

funesc projeto panapana 11 270x191 - Projeto Panapaná traz exposição “A espera no campo de Centeio”, da artista Minna Miná Após realizar a sua primeira exposição individual “As Pequenas Coisas d’Amélie Poulain”, em 2013, a artista se voltou para a experimentação de técnicas diversas e novos formatos que pudessem expressar a sua compreensão de mundo. Foi depois de ler os romances “O Apanhador no Campo de Centeio” (de J.D. Salinger), “As Vantagens” de Ser Invisível (de Stephen Chbosky) e “Cartas a um Jovem Poeta” (de Rainer Maria Rilke), que a inspiração seguida de uma inquietação fez fluir uma série de trabalhos criados em um ritmo compulsivo. Somente depois, a artista se deu conta que tais trabalhos desenhavam uma trajetória que continha as indagações pertinentes de sua idade, tais como: quem sou, o que fazer, que caminhos tomar. Estava ali o objeto da exposição, o eterno caminho inconsciente que seguem todas as pessoas em busca do auto­conhecimento.

As fases -  “À Espera no Campo de Centeio” é dividida em três partes que simbolizam as fases do crescimento. Os quadros da primeira fase retratam o período em que os jovens se dão conta de que já não são mais crianças, que é preciso crescer e deixar algumas coisas para trás. As dúvidas que permeiam essa transição; o medo, o sentimento de despreparação e solidão estão presentes na composição dos quadros.

funesc projeto panapana 21 270x191 - Projeto Panapaná traz exposição “A espera no campo de Centeio”, da artista Minna Miná Os personagens retratados nos quadros da segunda fase são jovens em um cenário urbano fragmentado e, às vezes, desolador e cruel. Eles parecem ter sidos arremessados no mundo adulto e solitário das grandes cidades e buscar respostas para a nova fase da vida, apesar do aparente sentimento de conformismo. A segunda série de quadros retrata a eventual inserção do jovem no mundo adulto, a necessidade do amadurecimento e a perda da inocência.

Na terceira e última parte da exposição, os personagens retratados estão cientes da necessidade de crescimento, de auto­conhecimento e da mortalidade das coisas. Eles se encontram imersos na natureza em um momento de reflexão e meditação. Eles parecem dizer, como que de forma a acalmar os jovens, que tudo isso passa; que é preciso paciência “com tudo aquilo que ainda não está completamente resolvido em seu coração” e ainda, como disse Rainer Maria Rilke, “de ter amor pelas próprias perguntas, como quartos fechados e como livros escritos em uma língua estrangeira. Não investigue agora as respostas que não lhe podem ser dadas, porque não poderia vivê-­las. É disto que se trata, de viver tudo. Viva agora as perguntas. Talvez passe, gradativamente, em um belo dia, sem perceber, a viver as respostas”.

funesc projeto panapana foto de rodrigo carvalho1 270x191 - Projeto Panapaná traz exposição “A espera no campo de Centeio”, da artista Minna Miná Panapaná, Novembro das Artes Visuais - A Funesc, por meio da sua Coordenação de Artes Visuais, está realizando o projeto ‘Panapaná, Novembro das Artes Visuais’, até o dia 16, no Espaço Cultural José Lins do Rego, com uma programação que reúne diversas atividades. O objetivo é dialogar com os artistas locais e a comunidade, por meio de exposições, leitura de portfólio, palestra, vivência artística, mural em Grafitti e intervenções artísticas. A programação foi idealizada visando realizar atividades em consonância com o circuito nacional de artes.

Panapaná – Novembro das Artes Visuais – 2016

08/11

19h – Exposição “No Campo de Centeio” – Artista Visual Minna Miná -  Local: Espaço Expositivo Alice Vinagre

08 a 10/11

Mural em Grafitti – Grafitti JP – Lateral Estacionamento Espaço Cultural

10/11

19h – Exposição “Assim, assim vinagre…” – Artista Visual Alice Vinagre – Galeria de Arte Archidy Picado

14 e 15
9h30 - Vivência Artística – Artista Visual Carlos Melo – Local: Espaço Cultural José Lins do Rego, Auditório 3

9h30 - Vivência Artística – Artista Visual Carlos Melo – Local: Arapuca Arte Residência, Conde/PB

16/11

18h – Performance: Asselvajamento – Artista Visual Carlos Melo – Local: Espaço Cultural José Lins do Rego, Praça do Povo