Fale Conosco

31 de julho de 2013

Projeto Castelo de Bonecas expõe peças no Centro Administrativo Estadual



31.07.13 Projeto castelo de Bonecas 11 270x202 - Projeto Castelo de Bonecas expõe peças no Centro Administrativo EstadualCerca de 150 bonecas confeccionadas pelas detentas da Penitenciária de Recuperação Feminina Júlia Maranhão, em João Pessoa, estão sendo expostas durante esta quarta-feira (31) numa tenda montada no Centro Administrativo Estadual, em Jaguaribe. Esta é mais uma ação do Projeto Castelo de Bonecas e faz parte do processo de ressocialização desenvolvido pela Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap).

O secretário de Administração Penitenciária, Wallber Virgolino, destacou a importância do Projeto Castelo de Bonecas, afirmando que hoje a produção das reeducandas gera renda para elas próprias. “Este projeto, que inicialmente tinha como objetivo apenas o desenvolvimento das habilidades manuais das reeducandas, com o tempo foi ganhando fôlego e hoje, após um ano de trabalho, já se tornou uma fonte de renda para as participantes, uma vez que as pessoas gostam do trabalho e querem levar para casa ou presentear outras pessoas com as belas bonecas fabricadas por elas”, disse.

31.07.13 Projeto castelo de Bonecas 2 270x202 - Projeto Castelo de Bonecas expõe peças no Centro Administrativo EstadualA diretora do Presídio Feminino Júlia Maranhão, Cinthia Almeida, reafirmou o seu compromisso com este projeto: “Estamos comemorando um ano de trabalho com muito êxito e, sempre que surge uma oportunidade, estamos expondo as peças em locais variados, e como resultado deste esforço conjunto, as reeducandas já estão ministrando oficinas em outras unidades prisionais, a exemplo da Penitenciária Feminina de Campina Grande, onde 16 reclusas puderam receber uma capacitação do projeto Castelo de Bonecas, no último dia 23”.

31.07.13 Projeto castelo de Bonecas 4 270x202 - Projeto Castelo de Bonecas expõe peças no Centro Administrativo EstadualA artesã Mara da Silva, participante do projeto, comentou que hoje já se observa a melhoria na qualidade das peças. “Estamos vendendo bastante e o interesse das meninas aumentou, pois elas viram que era uma coisa que funciona. Por conta disso, o nosso espaço já está ficando pequeno para a nossa produção”, observou. E acrescentou: “A minha filha de 16 anos me disse que está muito orgulhosa de mim e está ansiosa que saia logo para que possamos trabalhar juntas e montar um ateliê próprio”.