Fale Conosco

5 de maio de 2009

Programa vai permitir envio de exames pela Internet



Pacientes que são submetidos a exames no Centro Especializado de Diagnóstico do Câncer (CDC) terão mais segurança e rapidez nos resultados desses procedimentos. Um programa que vai viabilizar o envio desse resultado pela Internet às unidades de saúde entrará em funcionamento nos próximos meses.  A primeira etapa de implantação do programa acontece às 8h desta quarta-feira (6), quando o programa será apresentado aos gestores municipais, no prédio do CDC, na Avenida João Machado, Centro. O CDC realiza cerca de 8 mil exames por mês e atende 120 municípios credenciados pelo SUS.

A diretora-geral do CDC, Wanúzia Miranda, explicou que a necessidade para a realização desse programa surgiu devido à grande quantidade de exames que eram extraviados ou até mesmo não chegavam ao seu destino final, no caso, o paciente. A demora também ocorria, porque o funcionário do posto não enviava o material para análise no tempo hábil ou preenchia o formulário que era enviado ao CDC de maneira incorreta ou incompleta.

 “A gente mandava todos os resultados para o posto de saúde, o funcionário recebia e muitas vezes o exame não chegava ao paciente”, disse ao acrescentar que um erro na numeração que identifica o posto é suficiente para que os exames não cheguem ao seu destino.

A segunda etapa, que deverá acontecer em 30 dias, será o treinamento dos funcionários dos postos de saúde de cada município credenciado. Por ser um exame sigiloso, esse funcionário irá receber uma senha para ter acesso ao programa, no caso o Siscolo, e com isso poder ter acesso ao exame e emitir o resultado que será entregue ao paciente. Ainda como segurança, o funcionário terá que preencher um protocolo eletrônico com todos os seus dados pessoais para comprovar que ele recebeu os exames.

Numa terceira etapa o Centro Especializado de Diagnóstico do Câncer irá treinar os enfermeiros e outros profissionais dos postos de saúde para que eles aprendam a maneira correta de colher o material, preencher os laudos e interpretar os resultados para que saibam tomar as devidas providências caso o exame apresente um resultado anormal. Se isso acontecer, a paciente será notificada por meio de uma carta para comparecer ao CDC e assim ser submetida a outros exames.

Wanúzia Miranda destacou que alguns municípios não dispõem de infra-estrutura (computadores e profissionais que tenham noções sobre informática) e isso pode atrasar a implantação. Ela acredita que os primeiros municípios beneficiados com o programa serão os de grande porte a exemplo de Campina Grande, Sousa, Patos e Cajazeiras.

Wanúzia Miranda explicou que casos de câncer de colo uterino, vagina e Vulva são tratados no próprio CDC e as pacientes com diagnósticos mais complexos são encaminhadas pelo órgão para o Hospital Napoleão Laureano, referência no tratamento de câncer no Estado.