Fale Conosco

16 de agosto de 2012

Programa de ressocialização leva cinema a internas do presídio feminino



detentas do presidio feminino cinema intineirante funjop foto walter rafael 23A Penitenciária de Recuperação Feminina Maria Júlia Maranhão se transformou em sala de cinema. Pela terceira vez, um telão foi colocado no pátio da unidade, e pipoca e refrigerante foram distribuídos. O momento cultural foi compartilhado por detentas, integrantes da direção e agentes penitenciários.

Para a atriz Marcélia Cartaxo, que participou do evento na noite da quarta-feira (15), a cultura deve alcançar todos, independente de classe social ou situação com a justiça. “É um prazer poder trazer esse tipo de cinema para que elas tenham a oportunidade de conhecer o trabalho feito na Paraíba e que não é comercial”, disse.

Durante mais de uma hora de sessão foram exibidos os curtas paraibanos “Parrá – Becos da Boemia”, da TV Cidade, “Eu Sou o Servo”, de Eliézer Rolim, “O Tempo de Ira”, de Marcélia Cartaxo, e “Casa de Lirismo”, de Tomas Freitas.

Simone Barbosa cumpre pena na unidade e sempre participa das atividades, oferecidas pelo presídio àquelas que têm bom comportamento. “Cinema distrai e faz com que a gente se sinta um pouco lá fora. Esses filmes são diferentes e feitos aqui na nossa terra, gostei e quero poder ver mais desses lá fora”.

Para a diretora Cínthya Almeida, a atividade leva cultura e informação, tranquilizando as detentas e tirando o estresse da rotina diária na unidade prisional. “Essa é a terceira vez que trazemos cinema para elas e o resultado sempre é positivo. Procuramos sair da rotina para que a realidade delas não seja tão dura”.

A ação faz parte do programa “Cidadania é Liberdade”, que promove ações de educação, trabalho, cultura e saúde voltadas para a ressocialização dos detentos do sistema prisional paraibano, que também envolve suas famílias.