Fale Conosco

2 de junho de 2014

Produção leiteira da raça Sindi é destaque na Estação da Emepa de Alagoinha



07.05.14 emepa alagoinha.sindi uberaba fotos roberto guedes 2 270x202 - Produção leiteira da raça Sindi é destaque na Estação da Emepa de AlagoinhaA Estação Experimental de Alagoinha, da Empresa Estadual de Pesquisa Agropecuária da Paraíba (Emepa), é um centro de excelência na área de estudos das raças zebuínas leiteiras Guzerá e Sindi, esta última, originária do Paquistão, que chegou ao Brasil na década de 1930 e na Paraíba no ano de 1980.

Na Estação da Emepa de Alagoinha, o pesquisador Rômulo Pontes de Freitas Albuquerque, responsável pelos estudos com o rebanho Sind, destacou os objetivos do sistema de produção de leite da raça na Estação Experimental de Alagoinha: verificar, através do desempenho do sistema, a eficiência da tecnologia utilizada; servir como instrumento de difusão de tecnologia de produção de leite; avaliar, adaptar e testar tecnologias geradas pela pesquisa de modo que possam ser utilizadas pelos produtores; e gerar e sugerir informações para novos trabalhos de pesquisa, visando a otimização da produção de leite com zebu.

O especialista no melhoramento genético da raça Sindi acrescenta que as pesquisas consistem ainda em coletar informações para o conhecimento de famílias e linhagens que se destaquem por produção de leite acima da média do rebanho; formar tourinhos a serem provados como melhoradores; capacitar técnicos e produtores envolvidos com a produção de leite; e realizar estágios supervisionados para alunos de escolas técnicas e universidades ligadas ao setor. A estação em Alagoinha tem hoje 173 animais da raça Sindi.

Origem da raça Sindi - A raça Sindi (ou Red Sindhi) tem origem na província de “Sind”, território de Kokistan, no atual Paquistão, o qual compreende 18% da área do país, equivalente ao tamanho do Estado do Amapá. Apresenta clima semi-árido, com precipitação entre 250-300 mm, distribuída geralmente em três meses, com temperatura média oscilando entre 17-20ºC no inverno e 31-33ºC no verão, tendo já sido registradas temperaturas mínimas de 1,6ºC e máxima de 48ºC.

Devido à sua aptidão leiteira, alta resistência ao calor e carrapatos (Boophilus microplus), o Sindi espalhou-se por varias regiões da Índia, Paquistão e mais de 33 países da Ásia, África, Oceania e Américas.

Sindi no Brasil – O Sindi foi introduzido no Brasil nos anos 30 do século XX, mas foi o cientista Felisberto Camargo que, em 1952, introduziu um número significativo.

Em 1980, por meio de permuta entre os governos de São Paulo e Paraíba, foram introduzidos 14 animais Sindi (12 fêmeas e dois machos) – originários do rebanho do Instituto de Zootecnia de Colina (SP) na Estação Experimental de Riacho dos Cavalos, da Emepa PB, no sertão paraibano.07.05.14 emepa alagoinha.sindi uberaba fotos roberto guedes 11 270x202 - Produção leiteira da raça Sindi é destaque na Estação da Emepa de Alagoinha

Em 1988, a Embrapa-Cpatu, do Pará, cedeu em comodato à Emepa, quatro reprodutores, 30 matrizes e quatro crias, todos descendentes da importação de 1952. Em 1993, o rebanho Sindi da Emepa foi transferido para a Estação Experimental de Alagoinha, onde em 1996 começou a ser avaliado em produção de leite, ao lado das raças Gir (em Umbuzeiro) e Guzerá (em Alagoinha).

A viabilidade do Sindi na exploração leiteira no semiárido brasileiro

Produção Média de Lactação

2.266,697 Kg

Duração Média de Lactação

250,07 dias

Peso Médio ao nascer Machos

22,05 kg

Peso Médio ao nascer Fêmeas

20,20

Peso Médio ao desmame Machos

160 kg

Peso Médio ao desmame Fêmeas

130 kg

Eficiência Reprodutiva

85,21 %

Intervalo entre Partos

13 meses

Idade ao 1º Parto

31,3 meses

Peso ao 1º Parto

305,7 kg

Período de Gestação

283,30 dias

Peso Médio das vacas Adultas

335 kg

 

Produção de leite e duração do período de lactação das dez melhores matrizes recordistas do rebanho da Emepa-PB constam no quadro abaixo, cujos dados revelam a potencialidade dessa raça como alternativa promissora para melhorar a produção de leite dos rebanhos no semi-árido brasileiro.

Matrizes

Lactação

Produção de leite (kg)

Período de lactação (dias)

Média diária (kg)

Jarana

7.062,8

358

19,72

Juma

4.592,8

314

14,62

Hilara

2.870,0

301

9,53

Javali

2.799,0

281

9,96

Loteria

2.709,6

311

8,71

Jangada

2.561,1

276

9,27

Queijadinha

2.560,6

281

9,11

Itaúna

2.475,2

172

14,39

Gratina

2.485,2

332

7,48

Maring

2.390,5

324

7,30

 

“Os índices de produção de leite estão sendo apurados segundo os mesmos procedimentos adotados para o rebanho Guzerá Leiteiro de Alagoinha e o Gir de Umbuzeiro, na Estação Experimental João Pessoa, cujos dados são oficializados e aceitos pela ABCZ e Embrapa Gado de Leite”, ressalta Rômulo Pontes. Tais índices vêm revelando a aptidão leiteira dos animais do rebanho da Emepa.

Ao passarem por uma avaliação criteriosa de seu potencial leiteiro e, provavelmente, em razão de suas ascendências leiteiras, várias matrizes começaram a se destacar nos controles realizados. O maior destaque foi a vaca “Jarana Emepa”, que ao encerrar a 3ª lactação, atingiu a produção total de 7.062,80 kg de leite em 358 dias de produção, em regime de duas ordenhas diárias, com média de 19,72 kg/dia. Também outras matrizes já começaram a se destacar no rebanho.