Fale Conosco

29 de maio de 2012

Procons se unem para combater aumento de preço dos combustíveis



O Procon Estadual da Paraíba e o Procon Municipal de João Pessoa decidiram, durante reunião realizada na manhã desta terça-feira (29), formar uma força-tarefa para investigar e combater o aumento no preço dos combustíveis em postos localizados na capital.

Em parceria, os dois órgãos irão autuar os 47 estabelecimentos nos quais foi verificada elevação dos preços em mais de 11% e analisar as planilhas de custos para investigar os motivos do aumento.  Já os postos que tiveram reajustes de até 10,9% serão notificados para apresentarem justificativas sobre a elevação dos preços.

No primeiro momento, fiscais do Procon Municipal de João Pessoa irão realizar as notificações aos postos, enquanto que o Procon-PB se encarregará da análise das planilhas de custo das empresas e dos preços que estavam sendo praticados pelas distribuidoras antes e depois dos aumentos.

“Estamos fazendo levantamentos estatísticos que envolvem tanto os dados colhidos pelo Procon de João Pessoa nas pesquisas de preços, quanto as planilhas de custos que deverão ser apresentadas pelos fornecedores. Precisamos destes dados para saber os motivos do aumento e se houve alinhamento de preços, já que nos últimos dias não houve nenhum anúncio de aumentos de preços pela Petrobras, nem tão pouco aumentos salariais para os funcionários”, comentou a secretária executiva do Procon Estadual, Klébia Ludgério.

Após esta análise, outras providências deverão ser tomadas e as penalidades cabíveis em cada caso serão aplicadas. Além disto, os relatórios das ações e os resultados da análise das planilhas deverão ser encaminhados posteriormente ao Ministério Público, que tem inquérito civil sobre o tema em andamento.

Telefonia – Durante a tarde desta terça-feira, a secretária executiva do Procon-PB, Klébia Ludgério, participou de audiência pública, na Assembleia Legislativa do Estado, sobre os problemas da telefonia na Paraíba. Na ocasião, foram cobradas explicações por parte das operadoras de telefonia sobre a má prestação de serviço pelas empresas.

“A sociedade não pode ficar sem explicações. Já temos inquérito civil em andamento para apurar os problemas, mas a sociedade também precisa que as empresas falem sobre os problemas. As operadoras só têm se preocupado em conseguir mais clientes, mas quando os problemas aparecem elas não dão as explicações à sociedade. A sociedade também precisa de uma explicação por parte das operadoras”, comentou a secretária executiva do Procon, acrescentando que para a conclusão do inquérito civil público está sendo aguardado o envio de dados por parte da Anatel, agência reguladora do setor de telefonia.