João Pessoa
Feed de Notícias

Procon-PB discute educação para o consumo em escolas de João Pessoa

quinta-feira, 13 de outubro de 2016 - 09:43 - Fotos: 

A Autarquia de Proteção e Defesa do Consumidor do Estado da Paraíba (Procon-PB) desenvolve o projeto Por um Consumo Educado: o Procon vai às escolas. A ação tem o objetivo de esclarecer sobre direitos e deveres dos consumidores, conforme preceitua o Código de Defesa do Consumidor.

Nesta semana, a campanha é realizada em parceria com a Secretaria de Educação do Estado, através do Colégio da Polícia Militar e Escola Estadual Pedro Augusto Porto Caminha, em João Pessoa, além do Instituto de Metrologia e Qualidade Industrial da Paraíba (IMEQ-PB).

O projeto acontece na programação da Semana da Criança das unidades de ensino e reúne mais de 60 alunos. A campanha foi realizada em dois momentos. No primeiro (dia 11), os estudantes participaram de uma palestra sobre Educação para o Consumo, abordando os direitos básicos dos consumidores, a estrutura do Procon/PB e as principais reclamações registradas pela população paraibana.

O segundo momento ocorre, nesta quinta-feira (13), através da fiscalização educativa em um supermercado da Capital, juntamente com a equipe do Procon-PB e do IMEQ-PB, onde os estudantes vivenciarão parte do que foi abordado na palestra. Nesta fase, os fiscais mirins aprenderão a analisar as publicidades expostas, a política de troca do estabelecimento comercial, observarão os prazos de validades dos produtos e os direitos que lhes são assegurados após a compra.

Para a gerente de atendimento do Procon-PB, Meriene Soares, esse momento de conversa com os alunos é muito importante para esclarecer as competências e leis que dão subsídios à atuação dos Procons. “A população paraibana ainda é muito carente de conhecimento quanto as atribuições do Procon e seus direitos como consumidores. Por isso, é tão importante alertar a população. Esse projeto pretende tornar esses alunos os multiplicadores de amanhã nas suas casas, escolas e futuros ambientes profissionais. Afinal, a criança conhecedora de seus direitos será um consumidor consciente amanhã”, reforçou Meriene.