João Pessoa
Feed de Notícias

População elege saúde, habitação e educação como prioridades

sexta-feira, 29 de abril de 2011 - 22:55 - Fotos: 

A população do Alto Sertão, da 10ª Região Administrativa Estadual, polarizada pelo município de Sousa reivindicou mais ações nas áreas de saneamento básico, habitação popular, segurança, saúde e pavimentação de estradas. Os moradores expuseram as demandas da região, durante a primeira audiência popular do Orçamento Democrático Estadual, que contou com a presença do governador Ricardo Coutinho e de secretários de Estado.

Das 444 participações da audiência, escritas e faladas,  280 foram reivindicações ligadas à saúde e saneamento básico, 154 habitação, 143 educação e 100, relativas à estradas.

O motoboy Osmando Matias, que reside no município de Sousa, gostaria que fosse colocado no Orçamento do Estado do próximo ano, recursos para ampliação da saúde pública. Sua reivindicação ao governo estadual, através do OD, é com relação a melhoria das condições de atendimento para a população usufruir do setor de saúde com mais atenção.

“Com esse benefício não somente a população de Sousa, mas pessoas de outros municípios polarizados poderiam também usar esse serviço com conforto – mais médicos, remédios e equipamentos – citou Osmando Matias.

Francineldo Silva, de Vieirópolis, secretário de Saúde, também falou sobre a necessidade de melhoria na saúde da região, que para ele, precisa haver investimentos no saneamento básico. “Somos muito carentes no que diz respeito a saúde e ao saneamento básico. Precisamos tirar o esgoto das nossas ruas  e pavimentar a estrada que liga Sousa a Vieiropólis”, afirmou.

Democracia – O padre Djacy Brasileiro, do município de Santa Cruz, também participou da plenária popular e listou uma série de reivindicações, principalmente nas áreas de segurança e de pavimentação de estradas.  Segundo ele, o Sertão do Estado presencia um aumento no número de crimes na região, com problemas sérios de falta de policiais e de pouca estrutura para atuação da Polícia.

“É urgente a necessidade de recapeamento das rodovias do Sertão. É preciso que o Governo faça a pavimentação da estrada que liga São Francisco a Aparecida. Quero aproveitar para parabenizar a iniciativa do governador Ricardo Coutinho de ouvir o povo e dizer que ‘quem sabe faz a hora, não espera acontecer. Isso é democracia, minha gente’”, comemorou.

O vereador Luciano Caetano, de Santa Cruz, também falou sobre o problema do saneamento básico na região, que segundo ele reflete diretamente na saúde da população. Ele citou ainda a necessidade do reforço na segurança pública, principalmente porque o município faz fronteira com o Rio Grande do Norte

João Rabelo, de Aparecida, disse que alguns moradores se reuniram previamente para levar as demandas à audiência. Para ele, além da saúde, é preciso que o Governo também se atenha para obras de recursos hídricos e também na preservação do meio ambiente, com a construção do Aterro sanitário

Segurança – A professora Vera Lúcia Holanda pede para que se inclua no Orçamento Democrático mais recursos para aparelhar a segurança pública estadual. “Aqui em Sousa falta policias, viaturas e equipamentos de segurança. Esta área teve uma melhora considerável depois que o governador Ricardo Coutinho assumiu a administração estadual. Nesses quatro meses houve uma melhora considerável”, afirmou Vera Holanda.

Manoel Fernandes, da comunidade cigana Vicente Vital de Negreiros, usou o microfone para pedir mais ações na área de saúde, com a construção de um hospital de Trauma no município, e também de saneamento básico para acabar com o esgoto a céu aberto na localidade.

José Perisse, representante de uma ONG, disse aproveitou para elogiar o gesto do Governo e do governador de ir onde o povo está para ouvi-lo e colocar a opinião da população como norteadora do orçamento estadual. “A democracia ainda não passou por aqui (no Sertão). Aqui quem reivindica, é perseguido. Parabenizo a ação do Governo de vir ouvir a população, esse é um passo fundamental para a democracia. Diálogo é o primeiro passo para que o recurso que vem para o pobre, chegue realmente ao pobre”, comentou.