Fale Conosco

3 de fevereiro de 2012

Polícia Solidária utiliza programa de rádio para promover maior integração com a população



O Governo do Estado dispõe hoje de mais um instrumento de aproximação da Polícia com a sociedade. Todos os sábados, das 14 às 15 h, a população da Grande João Pessoa tem a oportunidade de interagir com representantes do aparelho estatal de segurança pública por meio do programa de rádio comandado pelo coordenador estadual do programa Polícia Solidária, coronel Marcos Alexandre de Oliveira Sobreira, e transmitido pela 104.9 FM (Rádio Comunitária de Cruz das Armas).

O programa teve sua estreia no último sábado (28) com a participação do comandante do 1° Batalhão de Polícia Militar, coronel Almeida. Neste sábado (4) será a vez do comandante do 5° Batalhão, coronel Lívio Sérgio, segundo informou o coronel Sobreira. Conforme ressaltou, o programa de rádio é mais uma ferramenta importante dentro do projeto do Governo de promover a aproximação polícia/sociedade, fazendo com que haja uma relação de confiança mútua que venha beneficiar a sociedade e, ao mesmo tempo, facilitar o processo de otimização dos serviços de segurança prestados pelo Estado.

“Por meio do programa de rádio, nós temos a oportunidade de chegar ainda mais perto da população e, dessa forma, mostrar as ações e os projetos que estão sendo desenvolvidos em favor da sociedade”, comentou o coronel Sobreira. Outro ponto importante, segundo ele, é a oportunidade de mostrar ao cidadão qual o seu papel perante os órgãos de segurança pública, considerando que, conforme estabelece o artigo 144 da Constituição Federal de 1988, a segurança pública é dever do Estado e direito e responsabilidade de todos.

Além de tomar conhecimento das ações desenvolvidas pelo Estado na área de Segurança Pública, a população pode manter contato com o programa comandado pelo coronel Sobreira para apresentar suas reivindicações e sugestões voltadas para o aperfeiçoamento dos serviços prestados. Não há espaço, entretanto, para questões de ordem política, uma vez que o objetivo do programa é unicamente o de contribuir para o processo de maior aproximação entre a Polícia e a sociedade.

Unidades de Polícia Solidária – Como parte do projeto de aproximação entre as polícias e as comunidades, com a instalação de bases fixas e a ocupação territorial com vistas à redução da ocorrência de homicídios e crimes não letais, o Governo do Estado vem investindo, desde o mês de abril de 2011, na instalação de Unidades de Polícia Solidária nos bairros considerados mais violentos da Capital.

A primeira UPS foi instalada no bairro Alto do Mateus em abril de 2011; a segunda, localizada no bairro de Mandacaru, começou a funcionar no mês de maio; a terceira foi instalada em novembro de 2011 na comunidade Bola na Rede, no bairro Alto do Mateus, e a quarta, implantada no Bairro São José, foi oficialmente inaugurada pelo governador Ricardo Coutinho na manhã de quinta-feira (2).

Segundo observou o coronel Sobreira, a base para o relacionamento entre os policiais e as comunidades é a confiança. “Havendo confiança mútua, haverá, por consequência, condições de as informações chegarem aos policiais de forma mais qualificada”, comentou o oficial, acrescentando que, além da redução dos índices de violência, essa nova relação faz com que haja uma redução na prática inconsequente dos chamados trotes. “Se a população confia na Polícia, ela colabora com o trabalho da Polícia”, afirmou.

Resultados importantes – O modelo de Polícia Solidária e mais próxima do cidadão vem trazendo importantes resultados no controle da criminalidade no município de João Pessoa, especialmente em bairros como Mandacaru, que em 2010 ocupava a primeira posição no ranking de bairros da Capital com maior número de mortes violentas. Com a presença da Polícia Solidária, Mandacaru registrou, em agosto de 2011, três meses após a instalação da UPS, uma queda de 67% no número de homicídios. Nos meses seguintes, a redução chegou a 80%, segundo dados do Núcleo de Análise Criminal da Secretaria de Estado da Segurança e da Defesa Social.

A base da filosofia que norteia a Polícia Solidária é o compartilhamento da responsabilidade sobre a segurança pública com a própria população, que se torna a principal aliada do Governo no combate à violência. O objetivo é envolver a comunidade no processo de prevenção ao crime, e a população pessoense tem assimilado, aprovado e colaborado com a iniciativa, segundo ressaltou a presidente do Conselho Comunitário de Segurança de Mangabeira, Abimadabe Vieira.

Para garantir a o funcionamento otimizado das UPS’s, o Estado tem investido na formação de novos policiais comunitários. De janeiro a novembro do ano passado, 370 pessoas, entre policiais e agentes comunitários, foram capacitados com cursos oferecidos pela Secretaria da Segurança e da Defesa Social, e o Governo continua investindo em qualificação de pessoal e em equipamentos.

Meta do Governo – A meta do Governo é fazer com que esse modelo de policiamento seja adotado em todas as comunidades que possuem altas taxas de criminalidade. De acordo com o governador Ricardo Coutinho, esta será a estratégia adotada para ocupação e pacificação dos espaços.

“É dessa forma que nós vamos combatendo a criminalidade, com diálogo, com cidadania, com respeito à comunidade, instalando bases e descentralizando a Polícia para respeitar a população e construir  junto com ela uma cultura de paz”, comentou Ricardo Coutinho na noite de quinta-feira (2) no Centro de Ensino da Polícia Militar, no bairro de Mangabeira, em João Pessoa.

Durante a solenidade comemorativa pelos 180 anos da PMPB, o secretário da Segurança e da Defesa Social, Cláudio Lima, destacou um diferencial no modelo de Polícia Comunitária adotado na Paraíba: “uma Polícia focada em resultados”. Segundo ele, a Polícia Solidária é aquela que se aproxima do cidadão, mas, principalmente, que colabora efetivamente na redução da criminalidade.

“Nossos policiais estão preparados não só para se aproximar da comunidade, aumentando a confiança mútua, mas para apresentar resultados. Esse mesmo policial amigo da população é o que participa de operações e prende criminosos, cuidando para que os índices criminais sejam reduzidos em sua área”, explicou.