Fale Conosco

7 de novembro de 2012

Polícia registra redução de homicídios em 34 bairros da Capital



pm operacao nomade no geisel (2)O trabalho integrado das Polícias Civil e Militar tem contribuído para a redução dos Crimes Violentos Letais Intencionais (CVLI) na Paraíba. Acompanhando as estatísticas dos homicídios em todo Estado, que sofreram uma redução de 22% no mês de outubro, 34 bairros de João Pessoa também registraram uma queda em mais de 46% no número de CVLI no mesmo período.

De acordo com os dados da 1ª Companhia do 1º Batalhão da Polícia Militar, no mês de outubro deste ano foram registrados sete homicídios, contra 13 casos ocorridos em 2011, o que representa uma queda de 46,15%.

Para o comandante do 1º Batalhão de Polícia Militar, tenente-coronel Almeida Martins, a redução pode ser atribuída à mudança de estratégia de trabalho. “Temos feito o mapeamento dos locais onde essas ocorrências são mais registradas, e intensificando o policiamento com rondas constantes nessas áreas, o que tem inibido a ação dos bandidos”, comentou.

Ele lembrou ainda do empenho do 1º BPM para alcançar a meta de redução traçada pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Segurança e Defesa Social. “Temos a meta estadual de reduzir em 10% o número de homicídios no Estado este ano e o 1º BPM vem trabalhando para contribuir no alcance desse resultado, o que pode ser observado neste mês de outubro, o qual fechamos com quatro vezes acima da meta de redução estipulada”, frisou.

Nova modalidade de policiamento – Uma das novidades que contribuiu para a redução da criminalidade foi a implantação do moto patrulhamento tático (Moto Tática), criado no mês de fevereiro para promover uma maior mobilidade no policiamento, principalmente na área do Centro da capital.

“Vimos a necessidade de criar essa modalidade por atuarmos em uma área de grande movimentação de veículos e pessoas e com isso garantimos agilidade no apoio à Rádio Patrulha e Força Tática, o que tem resultado na apreensão de armas e, consequentemente, na diminuição de crimes”, salientou o capitão Clecitoni Albuquerque, comandante da 1ª Companhia.