Fale Conosco

12 de novembro de 2011

Polícia ocupa Bola na Rede e dá início à instalação de mais uma Base de Polícia Solidária em JP



Criminosos que atuavam na comunidade Bola na Rede, no Bairro dos Novaes, em João Pessoa, foram surpreendidos nesta sexta-feira (11) com a presença maciça da polícia no local. Cerca de 200 homens, entre policiais civis e militares, ocuparam a comunidade e deflagraram a operação “Gol de Placa”. O objetivo era cumprir mandados de prisão e de busca e apreensão, a maioria por tráfico de drogas.

A ação marcou o início da instalação de uma base de Polícia Solidária permanente no bairro. O espaço onde funcionará a base é um antigo mercadinho que foi abandonado pelo proprietário e estava sendo utilizado por criminosos. A partir de agora, o espaço será ocupado por 20 policiais militares, que vão garantir a segurança na comunidade.

Este é o terceiro bairro da Capital a ser ocupado pela polícia. Já foram inauguradas, oficialmente, as unidades nos bairros Alto do Mateus e Mandacaru. “Temos mapeado as áreas de maior incidência criminal e ocupando esses locais com a presença permanente da polícia. São espaços que vinham sendo dominados por traficantes. Já realizamos mais de 40 operações integradas, e esta é mais uma ação importante, porque vem trazer tranquilidade para a população da comunidade e áreas circunvizinhas”, destacou o secretário.

A Operação – Durante a operação “Gol de Placa” foram presos Jonas da Silva Santos, conhecido por “Gringo” (20 anos), Rodrigo Ferreira dos Santos (20); e Samuel da Silva Lima (26). Também foram apreendidos três adolescentes, sendo dois de 16 anos e um de 17. Segundo a polícia, as investigações foram iniciadas há cerca de quatro meses, resultando nas prisões dos envolvidos com o tráfico de drogas e outros crimes no bairro. Rodrigo Ferreira foi preso em casa, local onde funcionava uma boca de fumo.

Já na residência de Jonas da Silva, os militares encontraram uma pistola 380 com carregador, 62 munições e uma substância semelhante ao crack, além de maconha; na casa de Samuel da Silva foram encontrados CDs, dois gabinetes de computador, nove caixas de medicamento psicotrópico (usado para aplicar o golpe “boa noite cinderela”), além de anotações e uma letra de rap fazendo apologia ao crime.

A polícia apreendeu ainda 100 pedras de crack, 47 papelotes de maconha, três revólveres calibre 38, a quantia de R$ 108,00, celulares e um facão. Todos os detalhes da operação foram divulgados durante coletiva realizada no auditório da Central de Polícia, que contou com a presença do secretário Cláudio Lima, do comandante geral da Polícia Militar, coronel Euller Chaves, da gerente executiva da Polícia Civil Metropolitana, Daniela Vicuuna, do comandante do Policiamento Regional Metropolitano, coronel Francisco de Assis Castro, do comandante do 1º BPM, coronel Jéferson Ferreira, e da delegada Maria Solidade, do Núcleo de Policiamento Integrado