Fale Conosco

9 de julho de 2012

Polícia Civil apresenta quadrilha suspeita de oito assassinatos na Grande João Pessoa



A Polícia Civil da Paraíba apresentou na manhã desta segunda-feira (9), durante uma coletiva de imprensa na Central de Polícia da Capital, três integrantes de uma quadrilha suspeita de envolvimento em oito homicídios na Grande João Pessoa. A ação foi desencadeada após o assassinato de um homem conhecido por “Carlinhos” no bairro Marcos Moura, em Santa Rita , por volta das 8h da última sexta-feira (6).

Em menos de três horas, policiais civis da Delegacia de Repressão a Entorpecentes (DRE), Delegacia de Crimes contra a Pessoa (Homicídios) da Capital e do Núcleo de Homicídios de Santa Rita conseguiram prender os responsáveis pelo crime e elucidar outros três homicídios ocorridos na Região Metropolitana de João Pessoa.

Jociênio Silva dos Santos, o “Ênio Chinês”, de 29 anos, Orlando do Nascimento Silva, conhecido pelos apelidos “Landinho” ou “Nandinho”, de 24 anos e um adolescente de 16 anos confessaram ter matado a vítima com 10 disparos de arma de fogo. Os dois homens também são apontados pela polícia como os responsáveis pelo duplo homicídio no Valentina Figueiredo, no dia 3 de março deste ano, quando pai e filho foram mortos abraçados.

“A motivação desses crimes está relacionada à disputa pelo tráfico de drogas na região. Com a prisão dessa quadrilha, será possível elucidar outros crimes. Vamos continuar atuando de forma integrada com a DRE, garantindo respostas rápidas aos crimes”, afirmou o titular da Delegacia de Homicídios da Capital, Marcos Paulo Vilela.

Já o preso Lenildo Tavares de Souza, 34 anos, conhecido por “mago” ou “Nildo”, é acusado de ser o mandante do crime que vitimou Elzicleide Carneiro Ferreira. O homicídio aconteceu no dia 16 de outubro de 2011, no Condomínio da Amizade, em Paratibe. Outros dois adolescentes foram apreendidos na ação conjunta e apresentados à Delegacia da Infância e Juventude da Capital.

Com a quadrilha, a polícia apreendeu dois revólveres calibre 38, 14 munições, 200 gramas de maconha prensada e 30 pedras de crack. Os acusados vão responder pelos crimes de formação de quadrilha armada, corrupção de menores, homicídio qualificado e tráfico de entorpecentes.

O delegado titular da DRE, Alan Murilo Terruel, ressaltou o trabalho dos agentes de investigação em mais uma ação exitosa. “Eles desenvolveram uma ação em nível de excelência, se infiltrando nas comunidades, e diligenciada com muita competência. Vamos manter essa parceria, uma vez que boa parte dos crimes tem relação direta e indireta com o tráfico de entorpecentes”, afirmou.

O delegado responsável pelo Núcleo de Homicídios de Santa Rita, Luiz Cotrim, adiantou que a prisão da quadrilha vai ajudar a identificar a autoria de outros crimes em Santa Rita. “Temos outros inquéritos em andamento, que não podemos revelar agora, mas que serão elucidados em breve. Sem dúvida, uma ação importantíssima para o combate ao crime na cidade”, concluiu o delegado.