Fale Conosco

26 de novembro de 2015

Petrobras analisa operação que aumentará capacidade do Porto



Técnicos da Petrobras estão promovendo reuniões de trabalho até esta quinta-feira (26), no Porto de Cabedelo. Eles analisam, juntamente com equipes da Companhia Docas da Paraíba e Capitania dos Portos, os procedimentos necessários à implantação da operação Ship to Ship, a partir de 2016. Este sistema operacional compreende a atracação de dois navios a contrabordo em um mesmo berço, transferindo até 50.000 toneladas de derivados de petróleo de um navio maior para o de menor porte.

De acordo com a diretora presidente da Companhia Docas da Paraíba, Gilmara Temóteo, a operação Ship to Ship vai aumentar em 50% a movimentação de combustíveis no porto, acrescentando que participam dessas reuniões nesta semana 14 pessoas envolvidas no processo, construindo um calendário para implantação do novo sistema. “O navio menor, após receber o combustível do navio de maior porte, sai para abastecer outros portos. Esta é a quarta reunião que nós estamos realizando e a Petrobras tem sido parceira desde o início”, destacou a gestora.

O técnico da Petrobras, especialista em análise de risco e novas operações, Paulo Sérgio, explicou que o grupo multidisciplinar estuda as condições para que seja possível mapear todos os riscos inerentes à atividade nesse processo de carga e descarga de navios a contrabordo. “Precisamos fazer essa operação com o máximo de segurança possível para que a operação Ship to Ship possa ser implementada como projeto piloto”, frisou.

No entendimento do comandante da Capitania dos Portos da Paraíba, capitão-de-fragata Valdinei Ciola, a operação Ship to Ship requer investimentos na infraestrutura do porto para que o novo sistema seja autorizado e passe a ser implementado. “O porto tem importância econômica para o Estado e para a sociedade e há a necessidade de empenho político no sentido de se viabilizar recursos para que todo esse estudo técnico se materialize. É isto o que desejamos e nós estamos aqui para ajudar”, destacou.

Em razão da operação Ship to Ship, o Porto de Cabedelo está recebendo novas defensas (proteção para evitar que as embarcações se choquem contra algo rígido durante as atracações) enviadas pela Petrobras para que possam ser realizados testes no berço 101 – de uso exclusivo para navios petroleiros.