João Pessoa
Feed de Notícias

Pesquisa visa beneficiar a população e evitar preços abusivos na Páscoa

terça-feira, 16 de março de 2010 - 11:40 - Fotos: 

Com a proximidade da Semana Santa o Procon Estadual está fazendo uma pesquisa sobre os preços dos produtos mais consumidos nessa época em diversos estabelecimentos de João Pessoa. Ainda nesta semana, será divulgada pesquisa de preços do vinho, bebida mais consumida neste período.
 
De acordo com o chefe de Fiscalização do Procon Estadual, Helton Renê, a pesquisa é realizada com o objetivo de beneficiar a população já que nessa época é comum os produtos mais consumidos sofrerem preços abusivos. “Nós fazemos a pesquisa no preço dos produtos mais consumidos na época porque é natural que os preços fiquem mais caros, por conta dos comerciantes. Porém, o consumidor deverá ficar mais atento para fazer uma boa Páscoa com uma boa economia”, informou.
 
No último dia 11 o Procon divulgou a pesquisa que foi feita sobre o pescado em nove estabelecimentos de João Pessoa, entre grandes supermercados e peixarias, revelando que os preços de peixes e derivados chegam a variar até 176%. A maior variação foi encontrada no preço da sardinha, sendo o produto comercializado entre R$ 4,99 e R$ 13,79, com variação máxima de 176,4%.

Os fiscais também constataram grande diferença de preço no Guaiuba, com valor entre R$ 12,00 e R$ 25,72, variação de 114,3%; enquanto que o menor preço do pescado foi na Anchova, que varia de R$ 11,28 a R$ 11,79, com variação de 4,5%. A diferença em moeda foi verificado no filé de pescada, variando de R$ 14,47 a R$ 30,00, ou seja, uma diferença de R$ 17,51.O valor, completado com mais R$ 0,50, permite adquirir um quilo de camarão médio no estabelecimento mais barato.
 
Ovos de chocolate
        
A pesquisa sobre os preços dos tradicionais ovos de chocolates também já foi divulgada. Segundo a pesquisa do Procon, que foi realizada nos principais centros comercias de João Pessoa, a maior variação foi encontrada no Ovo Serenata Jóia 510 g, Nº 22, que varia entre R$ 16,98 a R$ 48,99, com variação de 188,5%. Foram pesquisados 107 tens, entre caixas simples de chocolates sortidos até ovos finos de até 1Kg.

Já o Ovo Galak, Nº 15, 240g, que é bastante procurado, pode ser encontrado de R$ 17,50 a R$ 49,99, com variação percentual de 185,7%, sendo uma diferença de R$ 32,49. Com essa diferença, pode-se adquirir o mesmo produto no menor valor e ainda receber troco. A pesquisa completa encontra-se no site do Procon-PBB, no www.procon.pb.gov.br, no link Pesquisas ou na sede do órgão, no Parque Sólon de Lucena, 234 – Centro.
 
Dicas do Procon Estadual

Ovos de Chocolate

Uma dica do Procon é que os pais evitem adquirir ovos sem data de validade. Sejam ovos industrializados ou caseiros, a informação é fundamental a fim de evitar problemas de saúde posterior. Para os pais que forem presentear os filhos com ovos acompanhados de brindes, como brinquedos ou relógios, deverão verificar na embalagem do produto o selo do Inmetro, com indicação de idade apropriada para o uso do brinde. Alguns produtos poderão soltar as peças e causar transtornos com crianças menores. Finalmente, o consumidor deverá solicitar sempre a nota fiscal do produto. Ela é uma garantia, caso o consumidor venha requerer algum direito.

Pescado

Em primeiro lugar, antes de adquirir os pescados in natura, deve-se orientar o consumidor para que observe as condições de higiene do local, bem como a forma com que os pescados são armazenados e acondicionados. Além disso, o Conselho Nacional de Normas e Padrões para Alimentos (CNNPA) salienta que devem ser adotadas medidas que protejam o alimento in natura de contaminação por animais, insetos, aves, e por elementos químicos ou microbiológicos ou por outras substâncias indesejáveis durante a manipulação e armazenagem. Ademais, para o caso do gelo utilizado na refrigeração dos pescados, por entrar em contato com o produto, deverá ser fabricado com água potável.

O que o consumidor deve observar quando for adquirir peixe

O peixe deve ter as guelras vermelhas, os olhos salientes e brilhantes, o corpo deve estar rijo e as escamas não devem se desprender com facilidade. É importante que o consumidor passe o dedo pelas guelras para verificar se o tom avermelhado não é um corante aplicado com a finalidade de confundir o consumidor.

Frutos do mar

Com relação aos frutos do mar, no caso do camarão, estes devem ser firmes e com a carapaça presa ao corpo e o odor deve ser característico do produto, sem ser forte demais. No caso de lulas e polvos, deve-se orientar que o consumidor adquira os de cor mais clara, pois estes estarão mais frescos; enquanto que no caso de mexilhões, mariscos e ostras, o consumidor deve ser orientado a comprar moluscos in natura, observar se as valvas (conchas) estão bem fechadas, pois moluscos com valvas abertas não estão aptos para o consumo.

Teresa Duarte, da Secom-PB