Fale Conosco

23 de fevereiro de 2015

Pesquisa revela satisfação dos pacientes com Trauma



Uma pesquisa interna realizada no Hospital Estadual de Emergência e Trauma Senador Humberto Lucena, em João Pessoa, revela que 92% dos usuários internados na instituição estão satisfeitos com o atendimento da unidade de saúde. Os números foram contabilizados entre os meses de janeiro e dezembro de 2014, a partir de um questionário que é aplicado mensalmente, e tem como objetivos corrigir falhas e intensificar a excelência e a humanização no atendimento, uma preocupação constante da direção.

De acordo com a coordenadora da Ouvidoria, Gorete Rezende, o questionário é um instrumento de gestão que valoriza a opinião dos usuários, fazendo estes se sentirem pertencentes e responsáveis pela construção da excelência hospitalar. “Quando abrimos este diálogo com os assistidos, percebemos que todos se sentem responsáveis na melhoria dos serviços da instituição. Observamos que, quando o usuário faz críticas, automaticamente eles dão sugestões para a melhoria dos serviços, ou seja, são críticas construtivas e isso é positivo. Os questionários são ótimos instrumentos de avaliação, por meio deles podemos observar falhas e planejar ações mais eficazes”, afirma.

Gorete explicou ainda que estes resultados são obtidos de forma espontânea. Os entrevistados preenchem um formulário com 22 itens e depositam nas urnas disponibilizadas em todo o hospital, como também através da aplicação deste mesmo instrumento de pesquisa pelos funcionários que abordam diretamente os entrevistados. “Os dados obtidos são condensados e transformados trimestralmente em relatório, disponibilizado à direção do hospital e às coordenações dos setores avaliados”, destacou.

A acompanhante Maria Bernardes disse que, ao responder o questionário, se sentiu muito valorizada, já que a instituição se mostrou preocupada com o bem estar dos usuários, além de estar aberta ao diálogo. “Fiquei surpresa quando um servidor me abordou e pediu para responder um questionário. Percebi que o Trauma busca estabelecer um diálogo aberto com os assistidos. Isso foi bastante proveitoso, pois fiquei segura em questionar e tive a certeza que serei atendida nos meus pedidos”, ressalta.