Fale Conosco

8 de maio de 2009

PBTur divulga potencial turístico do Estado durante o IV Cineport



Dando continuidade às ações de divulgação do destino Paraíba, a Empresa Paraibana de Turismo (PBTur) participa da quarta edição do Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa (Cineport), que acontece até este domingo (10) na Usina Cultural da Energisa, em João Pessoa.

O evento busca integrar e desenvolver o mercado audiovisual, promovendo os filmes realizados em português e dialetos falados nas nações que compõem a Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP): Angola, Brasil, Cabo Verde, Guiné-Bissau, Moçambique, Portugal, São Tomé e Príncipe e Timor Leste.

A participação da estatal de turismo no Cineport se dá no estande montado no local do evento, onde está sendo distribuído material institucional mostrando o potencial turístico do Estado, e com a realização de city tour, segundo o diretor adjunto da PBTUR, Alberto Carlos, ao destacar o apoio efetivo do Governo do Estado ao festival.

City tour no Brejo – O dirigente da estatal ressaltou que na quarta-feira (6), personalidades consagradas no cinema e artistas e ativistas culturais participaram de um city tour nas cidades de Areia e Alagoa Grande, na região do Brejo paraibano. 

Entre os convidados estavam o cineasta e diretor de Angola, Zezé Gamboa; Jayme Del Cueto, também diretor, ator e integrante da Academia de Cineasta; Denise Del Cueto, produtora de elenco, além de atores do cinema, teatro e televisão brasileira, como Ingra Liberato, Marcela Muniz, Maria Ceiça, Ilya São Paulo (ator do filme ‘Por 30 dinheiros’, da paraibana Vânia Perazzo), o DJ e produtor angolano Johnny, o cineasta e diretor da Revista Atlântica Cultura Ibero Americana, João Ventura, mais a jornalista paraibana Kiara Fialho e ativista cultual Ednamay Cirilo.

Alagoa Grande e Areia – No roteiro turístico, os cineastas tiveram a oportunidade de conhecer o Museu Jackson do Pandeiro, filho mais ilustre de Alagoa Grande. O memorial reúne a discografia do artista e objetos pessoais doados pela família e fãs dele. Lá, foi exibido um DVD que conta a vida e obra do ritmista paraibano reconhecido no Brasil e exterior. Alagoa Grande fica a 100 quilômetros da Capital.

A segunda parada do passeio aconteceu na cidade de Areia, patrimônio histórico nacional e detentora de um rico acervo histórico-cultural, arquitetura que remonta ao período imperial e de uma paisagem simplesmente inesquecível. Lá, a comitiva foi recepcionada pelo secretário municipal de Turismo, Ney Vital.

No passeio pelos casarões, os turistas foram até o Solar José Rufino, construído pelo marinheiro Jorge, em 1818, onde o secretário Ney Vital fez um relato e mostrou um documentário sobre os principais pontos turísticos da cidade, como as belas paisagens naturais com topografias acidentadas, museus, teatro e igrejas, além de filhos ilustres como pintor Pedro Américo (1843-1905), autor do quadro ‘Independência ou Morte’, mais conhecido como ‘O Grito do Ipiranga’, em 1888, símbolo da independência do Brasil, exposto no Museu do Ipiranga, em São Paulo; o escritor e político José Américo de Almeida autor do romance ‘A Bagaceira’ (1928), considerado marco da literatura social nordestina da época.

A história do Solar José Rufino também foi contada pelo guia de turismo de nome Wellington. Ele destacou a presença do casario na história da escravatura. O guia relatou que o prédio tinha uma senzala (hoje preservada) e serviu de ‘vitrine’ para a compra e venda de escravos. O prédio possui ‘quatro beiras’ (sinais de riquezas) e ‘seteiras’ (abertura de proteção contra invasores). O local abriga atualmente a Secretaria de Turismo e Eventos da Prefeitura de Areia, o Ponto de Cultura Viva, o Museu e a Associação dos Amigos de Areia.

Outra parada obrigatória nessa rota foram os engenhos da cachaça e rapadura.  A comitiva visitou o Engenho Triunfo – que tão bem representa a história de empreendedorismo, produção e degustação da cachaça.

Durante a visita, a proprietária Maria Júlia guiou os convidados pelas instalações do engenho. Ela contou a história do lugar e as dificuldades iniciais. Além de matar a curiosidade dos turistas, ela conseguiu sensibilizar e encantar com relatos do poder das grandes paixões. Ela mostrou ainda moedores de cana-de-açúcar e grandes tachos que fervem o líquido que depois resulta na conhecida aguardente de cana, ou mesmo na caninha. O Engenho Triunfo pertence ao casal Antônio Augusto e Maria Júlia.

Depoimentos – O diretor da Revista Atlântico Cultural Ibero- Americana, João Ventura, disse que era a primeira vez que visitava a Paraíba (e pretende voltar outras vezes).

Ele falou da importância da realização do Cineport, por constituir “um instrumento forte para a troca experiência cultural ibero-americana e um desafio ético aberto à participação daqueles que acreditam na cultura”. Ele manifestou sua satisfação pela hospitalidade do povo paraibano e sentenciou: “Aqui nos sentimos entre amigos”.

João Ventura enfatizou que o city tour em Areia representa um autêntico turismo cultural, um resgate histórico. Ele lembrou que Areia ainda preserva e lembra traços de alguns recantos de Portugal que já não existem mais.  “É um reencontro, é notável a preservação do patrimônio nesta região”, observou.

Para o DJ e produtor Angolano, Johnny (também visitando a Paraíba pela primeira vez), disse que a Paraíba, além de dá exemplo com a realização do Cineport, se preocupa em preservar seu patrimônio histórico. “Isso é uma demonstração de que as políticas de cultura estão se direcionando para um bom caminho”, afirmou. Ele defendeu também que a educação, sobretudo dos jovens, em todas as nações deve ter uma prioridade efetiva.

Já o cineasta e diretor Zezé Gamboa, um dos mais entusiasmados com o city tour, mostrou-se curioso com o processo de fabricação da cachaça e reforçou o conceito de que é imprescindível a conscientização e a luta pela preservação do patrimônio histórico-cultural.

Parcerias – Além de todo trabalho de estruturação para divulgar e promover o turismo paraibano, a diretoria da PBTur tem realizado em parceria com instituições do setor e levado apoio aos eventos turísticos dentro e fora do Estado.

Nesse sentido, 2009 será um ano de maior participação da Empresa em feiras e outros eventos turísticos.  “Temos que otimizar e trabalhar nosso potencial turístico para despertar no visitante o desejo de vivenciar nosso Estado”, ressaltou o presidente da PBTur, Rodrigo Freire.