João Pessoa
Feed de Notícias

Parceria transforma criadouro do mosquito da dengue em combustível

terça-feira, 27 de abril de 2010 - 13:41 - Fotos: 
O mosquito da dengue ‘adora’ sombra e água parada. Em época de chuva, como agora, os insetos se proliferam rapidinho. A água acumulada em pneus, garrafas, vasos de plantas, baldes, cisternas, tanques e caixas d’água, atraem as fêmeas do Aedes aegypti, que encontram o lugar ideal para colocar os seus ovos. Para reduzir os criadouros, a Secretaria de Estado da Saúde (SES) firmou parceria com uma fábrica de cimento de João Pessoa estão transformando pneus jogados na natureza em combustível. Os últimos dados registrados pelo Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinan) mostram que, até o inicio do mês, foram confirmados 109 casos de dengue, na Paraíba.  

Campina Grande, Patos e Juazeirinho foram os primeiros municípios beneficiados com a ação, coordenada pela Vigilância Ambiental da SES, que orienta os municípios a fazerem a coleta e se encarrega de providenciar o transporte dos pneus até a fábrica Cimpor. Os pneus são utilizados nos fornos de produção de cimento, no lugar do coque de petróleo.

 
Na queima são utilizados filtros para não contaminar o ar e preservar o meio ambiente. Somente de Campina e Patos foram recolhidos cerca de 2.500 unidades. “Essa ação é preconizada pelo Programa Nacional para o Controle da Dengue, pois retira da natureza os objetos que servem de criadouros para o Aedes”, disse Nilton Guedes, gerente de Vigilância Ambiental.

Envolvimento da população – Os três municípios já vinham realizando a coleta, mas não tinham um lugar para destinar os pneus, que ficavam em depósitos improvisados ou a céu aberto. Suely Cavalcante, chefe do Núcleo de Fatores Biológicos da Vigilância Ambiental, lembrou que as ações do Estado e dos municípios não retiram da população a responsabilidade de ajudar a combater os focos do Aedes aegypti. “Nós fazemos a nossa parte, mas as pessoas também precisam colaborar, limpando os seus quintais, não deixando água acumulada e até mesmo avisando à Vigilância Ambiental do seu município, quando encontrar algum foco. O combate ao mosquito da dengue deve ser contínuo e o cuidado deve existir o ano todo”, disse.

Uma vez a cada dois meses, os agentes de controle de endemias realizam as visitas nas residências de seus municípios para localizar e combater os focos do mosquito da dengue e orientar os proprietários dos imóveis. As visitas aos pontos estratégicos, como sucatas, terrenos baldios, borracharias, indústrias, ferros-velhos e cemitérios, são feitas a cada 15 dias. Além disso, os agentes atendem aos chamados da população, para verificar informações sobre possíveis criadouros.

Casos - Dos 109 casos de dengue registrados no Estado até a 13ª semana epidemiológica (que terminou no último dia 4), 104 são de dengue clássica, dois de dengue clássica com complicação (um em Picuí e outro em Teixeira) e três são de febre hemorrágica da dengue (FHD), sendo dois em Brejo dos Santos e um em Paulista. Os municípios interessados em recolher os pneus das ruas devem entrar em contato com a Vigilância Ambiental em Saúde da SES, através dos telefones 3218-7434/7480.

Assessoria de Imprensa da SES-PB