João Pessoa
Feed de Notícias

Paraibana Regina Brown abre a noite no Teatro de Arena do Espaço Cultural José Lins do Rego

terça-feira, 11 de maio de 2010 - 09:28 - Fotos: 

A soul music e a MPB estarão no palco do Teatro de Arena do Espaço Cultural José Lins do Rego, em João Pessoa, nesta quarta-feira (12/05), a partir das 18h30. O cantor e compositor pernambucano Paulo Diniz, autor de sucessos marcantes como “Quero voltar pra Bahia”, “Um chopp pra distrair”, “Pingos de amor” e “E agora José?”, é a atração do projeto Seis e Meia, que acontece nas três primeiras quartas-feiras do mês.

A cantora paraibana Regina Brown, dona de um trabalho apoiado nas raízes nordestinas e na black music, fará a abertura da noite.

Paulo Diniz é um dos pioneiros do soul brasileiro e responsável pelo movimento “Black Rio”, ao lado de artistas como Cassiano, Black Rio e Hyldon. Em meados dos anos 70, já empregava naipe de metais, baixão pulsante e interpretava canções com títulos como “Só porque minha pele é negra”, de Luiz Wagner, ou “Ninfa mulata”, dele e Odibar.

Quem tem mais de 40 anos, com certeza lembra das canções de sucesso de Paulo Diniz, que sempre tocavam nas rádios e que ainda hoje são repetidas por músicos de barzinhos e em serenatas à beira-mar. Já Regina Brown pertence a uma geração de intérpretes que conseguiu destaque na Paraíba no final dos anos 80. Com sangue afro-indígena, logo atraiu para si o olhar do público e dos produtores devido a musicalidade de suas performances.

O projeto Seis e Meia é realizado pela Acorde Produções. Conta com o patrocínio do Governo do Estado, Fundação Espaço Cultural (Funesc) e Rádio Tabajara e o apoio cultural do Ambassador Flat e dos restaurantes Peixe Elétrico, Vila Cariri e Cia do Chopp. Nesta edição 2010, o Seis e Meia já levou ao Espaço Cultural José Lins do Rego, Tânia Alves, Diana Miranda, Trio Irakitan, Juliana Muller, Moraes Moreira, Amandi Cortez, Santanna e Forró Falado.

Os ingressos custam R$ 20,00 (inteira) e R$ 10,00 (meia entrada) e podem ser comprados antecipadamente ou na hora do evento no posto de vendas montado na entrada do Espaço Cultural.

Paulo Diniz

Pernambucano da cidade de Pesqueira, começou a cantar na Radio Difusora local. Depois foi para Radio Jornal do Comércio do Recife (PE), para a TV Ceará, em Fortaleza (CE), e para o Rio de Janeiro, onde trabalhou nas Rádios Tupy e Globo e comandou caravanas das rádios pelos subúrbios cariocas.

Depois de cantar alguns iê iê iês e versões, em 1966 conheceu artistas negros como ele, que estavam antenados com a florescente onda da soul music americana: Odibar e a turma de Os Diagonais, da qual o paraibano Cassiano fazia parte. Foi com eles que Paulo Diniz gravou os primeiros soul brasileiros, entre eles, “Se o mundo pudesse me ouvir”, de Cassiano e Ernesto Escudero, em que apresenta os maneirismos que seriam característicos do soul brasileiro nos anos 70.

O maior sucesso do país em 1970 foi de Paulo Diniz e Odibar: “Quero voltar pra Bahia”, inspirada nas crônicas semanais de Caetano Veloso quando estava exilado em Londres. Desse álbum, pelo menos metades das canções fizeram sucesso e nos discos seguintes ele continuou nas paradas com “Pingos de Amor”, “O meu amor chorou” e “E Agora, José?”, melodia sobre o antológico poema de Carlos Drummond de Andrade.

Paulo Diniz continua viajando pelo Brasil afora. Há dois anos, foi uma das atrações do abril Rock. Em 2002, voltou ao estúdio e lançou “Reviravolta”, seu disco de canções inéditas depois de anos. Atualmente, prepara um novo CD com nove composições inéditas e alguns remix, intitulado "Ponte Velha Rua Nova”, e com o poeta e parceiro Juareiz Correya o CD “Paulo Diniz e o Sentimento do Mundo”, reunindo poemas de vários autores brasileiros musicados e interpretados pelo próprio cantor e compositor.

Regina Brown

A cantora paraibana Regina Brown participou como vocalista da banda Absurdos, grupo de muito sucesso em todo o Estado nos anos 90. No final da década, Regina virou seu foco para o Rio de Janeiro e participou da abertura de shows de grandes artistas como Rita Lee, Marisa Monte, Flávio Venturini e Skank.
No ano de 2001, fixou residência na Alemanha, realizou trabalho com o grande nome da música americana David Byrne, cantor da banda "Talking Heads" e encantou o público europeu com seu carisma e swing. No ano passado, gravou CD que leva o seu nome, “Regina Brown”, mostrando toda a sua regionalidade e também um estilo que ela própria classifica como “soul black brasileiro”.

SERVIÇO:
Seis e Meia – Paulo Diniz
Abertura: Regina Brown
Quando: Quarta-feira (12/05), 18h30
Onde: Teatro de Arena do Espaço Cultural
Quanto: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (estudante)
Informações: 8857-4765.

Assessoria de Imprensa da Funesc