João Pessoa
Feed de Notícias

Paraíba tem a segunda melhor malha da Região Nordeste, aponta pesquisa CNT de Rodovias

sexta-feira, 6 de novembro de 2015 - 18:34 - Fotos:  Cláudio Goes

A 19ª edição da Pesquisa CNT de Rodovias, publicada esta semana, mostrou que a Paraíba é o segundo Estado com a melhor malha rodoviária da região Nordeste, alcançando um índice de 56,2% nas classificações ótimo e bom. Ainda de acordo com o levantamento, dos 406 quilômetros avaliados, 78,6% obtiveram avaliação ótima, boa ou regular.

Pelo levantamento da Confederação Nacional dos Transportes (CNT) a Paraíba ficou à frente de estados como Pernambuco (46,9%), Bahia (44,5%) e Ceará (41,6%), perdendo apenas para o Estado de Alagoas no Nordeste, que alcançou um índice de 78,8% nas classificações ótima e boa. Ao todo, a Pesquisa CNT de Rodovias percorreu 1.665 quilômetros, contemplando extensões federal e estadual.

A pesquisa CNT de Rodovias avaliou aspectos como pavimento e sinalização. Com relação ao pavimento, o estudo apontou que 58,1% foi considerado ótimo ou bom. Já com relação à sinalização, o índice de ótimo ou bom obteve o percentual de 58,9%.

Vale salientar que a malha rodoviária estadual possui mais de 5 mil quilômetros, enquanto a pesquisa do CNT avaliou pouco mais de 400 quilômetros, o que representa apenas 8% do total de rodovias estaduais. Desde 2011, o Programa Caminhos da Paraíba está pavimentando ou restaurando de cerca de 2.400 km de rodovias, com um investimento de R$ 1,2 bilhão, recolocando a Paraíba entre os Estados do Nordeste com uma das melhores malhas rodoviárias da região. Com isso, a Paraíba está credenciada a assegurar o seu desenvolvimento econômico e a melhoria da qualidade de vida do seu povo.

Pesquisa CNT de rodovia – Com relação às condições gerais das rodovias pesquisadas na região Nordeste, o resultado obtido pelos Estados quanto às classificações ótima e bom foi o seguinte:

Alagoas: 78,8%

Paraíba: 56,2%

Pernambuco: 46,9%

Bahia: 44,5%

Sergipe: 43,3%

Piauí: 41,7%

Ceará: 41,6%

Rio Grande do Norte: 41,3%

Maranhão: 34,9%