Fale Conosco

19 de maio de 2016

Paraíba incentiva adesão de novas doadoras de leite materno



A Secretaria de Estado da Saúde (SES), por meio do Banco de Leite Anita Cabral, centro de referência do Estado, realiza até esta sexta-feira (20) a IV Semana Estadual de Doação de Leite Materno – instituída em 2013, por meio da Lei 9.956. A programação tem como objetivo divulgar a estratégia para doação de leite materno pelos diversos setores da sociedade.

“Aproveitamos a oportunidade de um evento pontual como este para enfatizar a importância da doação de leite materno. A cada dia cresce a demanda de nascimentos prematuros e de bebês que precisam de algum suporte neonatal. Na maioria dos casos, as mães dos prematuros têm a produção de leite comprometida de modo que a criança fica desabastecida no tempo de internação”, afirmou a diretora do Banco de Leite Anita Cabral, Thaise Ribeiro.

A doação de leite materno também faz bem a quem doa. “Além de ser um gesto de solidariedade, a mãe doadora também evita problemas mamários, como o ingurgitamento ou mastite. Sem falar que ela dá continuidade ao aleitamento do seu bebê e daquele que precisa da doação”, disse Thaise.

A diretora comentou, ainda, que existe uma análise de sazonalidade quanto à doação de leite materno. Não só na Paraíba, mas no cenário nacional, observa-se que há períodos durante o ano onde as doações de leite diminuem. “Em épocas de férias, por exemplo, Carnaval, São João e festas natalinas, as doações tendem a cair, fragilizando os estoques e o envio de leite para as unidades neonatais. As campanhas de divulgação auxiliam nesse contraponto, favorecendo que nas épocas do mês de março a abril e de agosto a outubro tenhamos um maior número de doações”, comentou.

Thaise Ribeiro alertou para o baixo estoque no sertão do estado. “Visualizamos um momento de constantes relatos de viroses na região. Por isso, algumas doadoras ativas tiveram que dar uma pausa por incapacidade de realizar a doação. Pedimos, então, que as mães se sensibilizem, para que possamos ter mais doadoras na região e o estoque de leite continuar favorável”, pontuou.

A disseminação de informações sobre como funciona o serviço de bancos de leite no estado, a sensibilização da população e a desmistificação de algumas ideias errôneas são atitudes fundamentais. As mães que estão no período de amamentação às vezes esquecem ou desconhecem os serviços de banco de leite, por isso a necessidade de divulgação intermitente.
É preciso alertar às mães que elas podem fazer a doação sem esforços, apenas com a extração do leite e a conservação na sua própria casa. “Existem muitas mães com excesso de leite e que ainda ficam em dúvida com relação à possibilidade da doação. Algumas mulheres ainda têm medo de doar, pois imaginam que vai faltar para seu bebê, no entanto, isso é um mito. Quanto mais se estimula as mamas para a doação e amamentação do bebê, mais leite será produzido. O leite não vai secar e as doadoras não ficarão fracas. É um processo natural e indolor”, explicou a diretora.

Thaíse salienta, ainda, que a consciência da solidariedade precisa ser propagada. “Antes de tudo, é preciso acreditar na causa e apoiar. Incentivando as mães a doarem um pouco de seu leite, apoiar a prática da amamentação, comentar com amigos e conhecidos sobre o serviço de bancos e doar vidros para a arrecadação do leite. Tudo isso ajuda muito”.

Leite humano – O leite doado tem como objetivo alimentar a criança, oferecendo energia calórica e macronutrientes (como proteínas, carboidratos, lipídios, sais minerais, potássio, fósforo e cálcio) necessários para o funcionamento e nutrição do organismo humano. No entanto, pelos fatores imunológicos que apenas o leite humano oferece, ele age no organismo – em especial do bebê prematuro – como um fármaco, favorecendo a recuperação da saúde, através dos agentes imunológicos, e proteção contra doenças e infecções que podem vir a acontecer durante a permanência do prematuro em unidade neonatal.

“Se formos falar em composição de leite humano, temos uma gama de mais de 250 substâncias interagindo umas com as outras que atuam em caráter antiinflamatório, além de proteger a visão e o funcionamento do cérebro”, informou a nutricionista da Maternidade Frei Damião, Janilda Moraes.

Ela comentou que existem relatos de o que leite materno também estimula o coeficiente de inteligência do indivíduo que o ingere. “Os benefícios do leite materno são inúmeros e há estudos que mostram que eles seguem em longo prazo. Na vida adulta, nota-se que quem ingeriu leite materno tem menos chance de ter colesterol alto, doenças cardiovasculares e obesidade, por exemplo”, enfatizou Janilda.

De acordo com a nutricionista, há mães que em apenas uma extração consegue doar até 300 ml de leite. Os bebês prematuros são acompanhados por nutricionistas e profissionais de saúde. Através disso, uma dieta é estabelecida para a necessidade de cada um deles. “Existem bebês prematuros (que nascem de 700g a 1kg de peso corporal) que consomem apenas 1 ml de leite a cada três horas – totalizando 8 ml por dia. Apenas uma ordenha de uma mãe doadora pode ajudar vários que precisam bastante do leite para sobreviver”, explicou.

Janilda acrescentou ainda que não existe regra quanto ao prazo das doações. “Temos relatos de mães que doaram seu excedente lático até os dois anos de vida dos seus bebês. As doadoras podem ajudar até que tenham produção de leite, não existe um limite de tempo regular”, finalizou.

Doação – Para ser doadora, basta a mãe estar amamentando, ser saudável e ter produção de leite maior que a necessidade do seu bebê. Para doar, é só procurar uma das unidades distribuídas em todo o estado.

O leite doado é processado e analisado pelo laboratório do Anita Cabral, certificado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), que garante a inativação de protozoários, vírus, fungos e bactérias patogênicas, oferecendo ainda a informação de todas as características físico-químicas, tais como grau de acidez, quantidade de gordura e maturidade do produto. Isso garante que cada receptor atendido receba o leite específico para seu quadro clínico.

O Banco de Leite Anita Cabral funciona na Maternidade Frei Damião, em João Pessoa, e fornece suporte técnico para toda rede. Para entrar em contato, é só telefonar para (83) 3215-6047. A equipe também tem um grupo no WhatsApp para as doadoras através do telefone (83) 98851-8221.

Rede de Serviços – Na Paraíba, são coletados 600 litros de leite por 500 doadoras e são beneficiados mais de 440 bebês por meio da distribuição de 400 litros de leite, mensalmente. João Pessoa é responsável por 50% da demanda dos serviços em Banco de Leite Humano, com mais de 330 litros de leite doados, mensalmente, por meio de 250 doadoras, beneficiando mais de 220 receptores, com mais de 180 litros de leite distribuídos.

Para ser doadora é só entrar em contato com o banco de leite ou posto de coleta mais próximo e passar os dados. O serviço de Rota Domiciliar irá até a residência da doadora e entregará o Kit Doação (frascos de vidro esterilizado, luvas, gorro e máscara). Além disso, os serviços prestarão todas as orientações necessárias para o correto armazenamento.

“Basta a doadora entrar em contato conosco e falar do seu desejo de doar. Pegamos seus dados pessoais, seu telefone e seu endereço para que nossa equipe vá até a casa dela, ou no local onde ela preferir. Entregamos os frascos de vidro e já começam as doações. A doadora não precisa se deslocar, nós vamos até ela e estabelecemos este vínculo em todo o processo de doação”, explicou Thaíse Ribeiro.

Se a mãe desejar fazer o armazenamento de leite imediatamente, em casa, basta seguir algumas regras: lavar bem as mãos até os cotovelos com água e sabão, prender os cabelos, colocar um lenço sobre a boca (para evitar gotículas de saliva sobre o leite) e o vidro com tampa de plástico seco e já fervido por 15 minutos. Deve-se realizar a extração de leite dentro do vidro, devendo-se desprezar os primeiros jatos. Após a retirada do leite, colocar o frasco fechado no congelador, onde deverá ter a validade de 15 dias congelado.

Para a utilização do leite congelado deve-se descongelá-lo em banho maria a 40°C e usá-lo imediatamente. A conservação do leite já descongelado só deverá ser feita pelas próximas 12 horas em refrigerador

Programação – Em Campina Grande, ocorreram atividades no Dia D, em 19 de maio, com apresentação musical com as mães da Maternidade Municipal e roda de conversas com as mães do Hospital da FAP, além da participação no Fórum Perinatal da Rede Cegonha e divulgação da doação de leite materno nas maternidades e PSFs da região.

Em Guarabira, a programação teve entrevistas nas rádios locais com ênfase na coleta de vidros, divulgação da estratégia e coleta de frascos em praça pública, panfletagem e, no Dia D, comemoração com as doadoras de leite em alusão ao Da de Doação de Leite Humano e também Dia das Mães no auditório do Hospital Regional de Guarabira.

Em Patos e Cajazeiras, os bancos de leite se organizarão em atividades na atenção básica e com as instituições de ensino superiores do curso de saúde. Nos Postos de Coleta de Sousa, Santa Luzia e Pombal acontecerão homenagens às mães doadoras.