Fale Conosco

17 de agosto de 2012

Paraíba é representada no Congresso Nacional de Prevenção das DST e Aids e Hepatites Virais



O Hospital Clementino Fraga e a Coordenação de DST/Aids da Secretaria de Estado da Saúde participarão, no próximo dia 28 de agosto, do IX Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e Aids, do II Congresso Brasileiro de Prevenção das Hepatites Virais, do VI Fórum Latino-americano e do Caribe em HIV/Aids e DST e do V Fórum Comunitário.

Representando a Secretaria de Estado da Saúde, a coordenadora Ivoneide Lucena, juntamente com a diretora geral do Hospital Clementino Fraga, Adriana Teixeira, farão parte das discussões e dos fóruns. Também participará do evento a Cia da Saúde e do Sorriso, um grupo formado pelos funcionários da unidade hospitalar, que fará apresentação do projeto educativo/preventivo que realizam.

O hospital também apresentará o trabalho intitulado “Encontrando na Revelação a Busca da Adesão”, desenvolvido pelas psicólogas Laura Maria Abrantes de Farias Azevedo, Elsa Evangelista Fernandes e Alana de Freitas Gomes.

A diretora do Hospital Clementino Fraga, Adriana Teixeira, disse que a participação no congresso tem o objetivo de fomentar e gerar novas políticas visando beneficiar os usuários do serviço. “As discussões e os debates são muito ricos, pois baseados neles é que são construídas novas políticas públicas e estratégias para melhorar a condição de vida desses usuários”, afirmou.

O congresso – A expectativa do evento é refletir sobre o caminho que já se trilhou na construção de políticas públicas efetivas na área de DST/Aids e hepatites virais, além de estabelecer um debate propositivo sobre as estratégias e ações a serem ampliadas, aperfeiçoadas ou abandonadas para que o acesso universal e equitativo à prevenção se efetive nos diferentes territórios do Brasil e da América Latina.

Os dois congressos e os dois fóruns mantêm a meta de atualizar e revolucionar o campo da prevenção, superando o preconceito e o estigma, além de minimizar as desvantagens comparativas em relação ao acesso aos medicamentos e aos benefícios do conhecimento sem restrições com relação à propriedade intelectual, sendo muitas dessas desvantagens impostas por medidas baseadas no interesse do mercado e pressão da indústria farmacêutica.

Estima-se que as proposições originadas dos debates mostrem influência na formulação de políticas públicas nacionais e continentais que busquem a universalidade de acesso a medicamentos e a insumos de prevenção. Os interessados podem obter informações no site do Ministério da Saúde, coordenação de DST/Aids: http://www.aids.gov.br/congressoprev2012.