João Pessoa
Feed de Notícias

Paraíba e Bélgica discutem cooperação em educação, tecnologia e pesquisa

terça-feira, 5 de julho de 2011 - 12:17 - Fotos:  José Marques/Secom-PB

O governador Ricardo Coutinho recebeu na noite desta segunda-feira (4), no Palácio da Redenção, o embaixador da Bélgica no Brasil, Claude Misson, que está em visita à Paraíba para discutir sobre as possibilidades de acordos de cooperação técnica no Estado, nas áreas portuárias, de educação superior, de ciência e tecnologia e inovação e pesquisa.

O embaixador da Bélgica disse que existe a possibilidade de cooperação entre os dois países em várias áreas e entidades como universidades e centros de pesquisa e também no setor de treinamento de gestores de portos. “Tivemos conversas interessantes para que a Bélgica e a Paraíba sejam parceiros na troca de experiência acadêmica e tecnológica”, contou.

Claude Misson destacou que o governo brasileiro estará lançando um programa com mais de 75 mil bolsas para brasileiros estudarem no exterior e várias universidades belgas já se manifestaram para participarem do programa. “As universidades belgas estão abertas para integrarem estudantes e professores no trabalho acadêmico, de pesquisa e colaborarem com a troca de experiências culturais entre Brasil e Bélgica”, explicou.

Durante a audiência, o governador Ricardo Coutinho destacou o potencial de pesquisa científica e tecnológica da Paraíba, por meio de universidades instaladas no Polo Tecnológico de Campina Grande, além da de expansão portuária do Estado. O governador ressaltou que o Estado da Paraíba está de portas abertas para assinar termos de cooperação nessas duas áreas e a realização de intercâmbio de experiência com a Bélgica.

O secretário de Planejamento do Estado, Gustavo Nogueira, fez uma avaliação positiva da visita do embaixador da Bélgica com a abertura da perspectiva para se firmar acordos bilaterais entre o governo Belga e instituições de ensino e pesquisa na Paraíba. “O próximo passo agora é acompanhar os desdobramentos nas áreas de biotecnologia, pesquisa científica e capacitação de portos”, destacou Nogueira.

Participaram da audiência entre o governador e o embaixador da Bélgica no Brasil, a primeira-dama do Estado, Pâmela Bório, o vice-governador Rômulo Gouveia e os secretários Lindolfo Pires (chefia de Governo), Lúcio Flávio (executivo de Governo), João Azevedo (Recursos Hídricos e Ciência e Tecnologia) e Moacir Carneiro (representação do governo em Brasília).

Durante todo o dia desta segunda-feira (4) o embaixador Claude Misson participou de reuniões com representantes das Universidades Federal da Paraíba (UFPB), Federal de Campina Grande (UFCG) e Estadual da Paraíba (UEPB); do Instituto Federal de Ciência e Tecnologia, da Companhia Docas da Paraíba, da Fundação de Apoio à Pesquisa da Paraíba (Fapesq/PB), da Fundação Parque Tecnológico da Paraíba e da Empresa Paraibana de Pesquisa Agropecuária (Emepa). Ao meio dia ele almoçou com secretários de Estado.

A pauta das reuniões centrou-se basicamente na linha de possibilidades de convênios de cooperação técnica nas áreas de ciência, tecnologia e inovação. “Nossas prioridades são em áreas nas quais a Bélgica tem grande experiência, e são áreas de cooperação, tanto acadêmica entre universidades, quanto científicas, entre centros de pesquisa. Temos interesse também na cooperação técnica para aquelas áreas que potencialmente poderiam ser mais interessantes para o Brasil, como portos e vias navegáveis”, ressaltou o embaixador.

Quanto à relação acadêmica, ele lembrou que em 2009 foram organizadas missões de universidades brasileiras para a Bélgica, e que em 2010 vieram representantes das universidades belgas ao Brasil. “Agora estamos trabalhando numa nova missão de universidades brasileiras federais à Bélgica. Isso justamente para incrementarmos contatos pessoais entre responsáveis de uma parte e de outra, pois isso é que leva a futuras cooperações efetivas”, ressaltou.

Na área de cooperação científica, o embaixador Claude Misson disse haver áreas que são de interesse mútuo, como a pesquisa nuclear, a pesquisa espacial e a pesquisa em nanotecnologia. “É aí que deve haver contatos mais diretos entre os nossos centros e as instituições brasileiras, que vão permitir um incremento dessa colaboração”, enfatizou.

Ele acrescentou que a Bélgica tem acordos com o CNPq e com a Capes – acordos macros que permitem a troca de professores, de estudantes, de pesquisadores, e também financiamento de projetos de pesquisa entre pesquisadores belgas e brasileiros.

Presente às reuniões, o secretário de Estado do Planejamento e Gestão, Gustavo Nogueira, disse acreditar que, em função do que foi discutido, possa haver num curto espaço de tempo uma evolução para acordos de cooperação técnica entre o Governo da Bélgica e o Governo da Paraíba, através das instituições que se fizeram presentes nessas audiências.

“O embaixador está muito atento ao programa de bolsas de estudo que o Governo Federal anunciou – um salto de 30 mil para 75 mil bolsas destinadas a alunos de graduação, de pós-graduação e professores, e a Bélgica habilita-se a receber também esses profissionais e esses alunos”, informou.