Fale Conosco

8 de outubro de 2013

Paraíba atinge 65,4% da meta de vacinação contra a raiva animal



Até a manhã desta terça-feira (8), a Paraíba já havia alcançado 65,4% da meta, que é vacinar contra a raiva animal 80% dos 607.643 animais, sendo 414.892 cães e 192.751 gatos. O dia “D” da campanha aconteceu no último dia 28 de setembro. Até esta terça-feira (8) já foram vacinados 442.705 animais, destes 339.026 cães e 103. 679 gatos. Os dados foram fornecidos pelo chefe do Núcleo de Controle de Zoonoses da Secretaria de Estado da Saúde, Francisco de Assis Azevedo.

 “Tudo está transcorrendo dentro da normalidade e a nossa expectativa é de mais uma vez alcançar a meta, como sempre aconteceu em campanhas anteriores”, disse Assis, explicando que esse percentual pode ser muito maior, haja vista que muitos municípios ainda não lançaram os dados da vacinação no Sistema de Informação da SES. Ele informou ainda que a campanha se estende até o dia 25 e as pessoas que não ainda não levaram os seus animais para serem vacinados podem procurar o posto de saúde mais próximo da sua casa onde a vacina está disponível.

 Para esta campanha, o Ministério da Saúde enviou 800 mil doses da vacina que foram distribuídas com as regionais e entregues aos municípios. Francisco de Assis explicou que, geralmente, uma semana antes do dia “D” muitos municípios iniciam a campanha na Zona Rural e em locais de difícil acesso ficando este dia apenas para os animais da Zona Urbana.

O chefe de Núcleo de Controle de Zoonoses da SES lembrou que pelo quinto ano consecutivo está sendo utilizada a vacina de cultivo celular em cães, que tem uma melhor resposta imunológica e ação mais duradoura e que também faz parte do protocolo assinado pelos países latinos, junto à Organização Mundial da Saúde, que pretende eliminar a raiva humana transmitida por cães – principal fonte de infecção no ciclo urbano – até o ano de 2015.

Raiva animal – A raiva é uma doença infecciosa aguda, de etiologia viral, transmitida ao homem por meio da mordedura, arranhadura, lambedura de mucosas ou pele lesionada por animais raivosos, provocando uma encefalite viral aguda. A transmissão ocorre quando o vírus rábico existente na saliva do animal infectado penetra no organismo.

A doença acomete o sistema nervoso central, levando ao óbito após curta evolução. É letal em aproximadamente 100% dos casos, por ser causada por um vírus mortal, tanto para os homens quanto para os animais, e a única forma de evitá-la é pela vacinação anual, que não tem contraindicação.

A raiva apresenta quatro ciclos de transmissão: no ciclo rural, os bovinos, ovinos, caprinos, suínos e equídeos são os principais elementos transmissores da raiva; no ciclo silvestre, as raposas, guaxinins, macacos e roedores têm maior destaque na transmissão da doença; no ciclo aéreo, os morcegos representam o maior perigo; e no ciclo urbano os principais elementos responsáveis pela manutenção do vírus rábico são os cães e gatos.