João Pessoa
Feed de Notícias

Palestra na Seap discute o papel da mulher na Segurança Pública

segunda-feira, 9 de março de 2015 - 17:38 - Fotos: 

A Secretaria de Estado da Administração Penitenciária (Seap), por intermédio da Gerência Executiva de Ressocialização, realizou na manhã desta segunda-feira (9), às 10h, no Memorial da Seap, uma palestra destinada às servidoras sobre a participação da mulher nos órgãos de segurança, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.

Uma mesa foi composta pelo secretário da Administração Penitenciária, Wagner Dorta; o secretário executivo Agamenon Vieira; a palestrante, delegada Desirée Cristina Vasconcelos; a gerente de ressocialização Zioelma Maia; Sílvia Suassuna, representando as servidoras; Cinthya Almeida, diretora do Centro de Reeducação Feminino Maria Júlia Maranhão, representando as agentes penitenciárias; Cintia de Araújo, representando as reeducandas que trabalham na Seap; e Hermancita Trigueiro, representando a Casa Civil.

Durante a solenidade, o secretário Wagner Dorta falou da importância da mulher no trabalho da Seap e destacou que a data simboliza uma luta importante na vida de todas as mulheres. “Desde que as operárias foram queimadas numa fábrica de tecidos, nos Estados Unidos, que a data 8 de março simboliza o que elas representam. Uma luta constante de todas as mulheres pela igualdade de direitos e oportunidades”, comentou. O secretário executivo, Agamenon Vieira, também falou da importância das mulheres nas atividades do serviço público estadual e explicou que elas são essenciais para que o trabalho na Seap aconteça de forma eficiente e organizada.

Palestra – Durante a palestra sobre o “Papel da Mulher na Segurança Pública”, a delegada de Polícia Civil, Desirée Vasconcelos, explicou as dificuldades enfrentadas pelas mulheres que trabalham no Serviço Público de Segurança. Ela comentou a dificuldade que as mulheres têm em alcançar cargos de comando nestas instituições públicas. Além disso, Desirée falou a respeito da violência contra a mulher na capital paraibana, e disse que este tipo de violência atinge todas as classes sociais e destacou a questão do feminicídio.