João Pessoa
Feed de Notícias

Palestra em escola estadual aborda o fim da violência contra a mulher

quinta-feira, 28 de julho de 2016 - 18:07 - Fotos: 

A Secretaria de Estado da Educação (SEE), por meio da Gerência Executiva de Diversidade e Inclusão (Gedi), promoveu nesta quinta-feira (28), no auditório do Lyceu Paraibano,  palestra ministrada pela representante da Onu Mulheres, Amanda Kamanchek Lemos, coordenadora da iniciativa “O Valente não é Violento”. A Onu Mulheres visa promover o fim de estereótipos de gênero e comportamentos machistas, e produz conteúdo pedagógico livre para colaborar na formação de estudantes no Brasil.

A iniciativa faz parte da campanha “UNA-SE Pelo Fim da Violência Contra as Mulheres”, do secretário geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, que conta com o envolvimento de todas as agências da ONU e é coordenada pela ONU Mulheres. Tem como objetivo estimular a mudança de atitudes e comportamentos machistas, enfatizando a responsabilidade que os homens devem assumir na eliminação da violência contra as mulheres e meninas. http://www.ovalentenaoeviolento.org.br/

Também participou da iniciativa a professora doutora Ivonildes da Silva Fonseca, abordando o dia 25 de julho, data em que é celebrado o dia internacional da mulher afro-latina-americana e caribenha. A professora apresentou a palestra “15 anos de Bamidelê e os passos do feminismo negro na PB”.

Concurso de Vídeo – As Nações Unidas lançaram um concurso de vídeos para estudantes do Ensino Médio e profissionais de audiovisual. O Concurso de Vídeos de 1 minuto: “O Valente Não É Violento” traz o tema: Como seria o mundo sem as imposições sociais em relação ao que é esperado de homens e mulheres?

Os vencedores do concurso terão seu vídeo exibido por canais da ONU Brasil durante os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, celebrados mundialmente de 25 de novembro a 10 de dezembro. O concurso é realizado pela ONU como parte da iniciativa regional “O Valente não é Violento”, da campanha do Secretário-Geral das Nações Unidas UNA-SE Pelo Fim da Violência contra as Mulheres.

O objetivo do concurso de vídeos é celebrar o direito de todos a uma vida plena e com dignidade – sem discriminações de gênero, raça, etnia e orientação sexual. A ação busca também estimular papeis sociais que empoderem as mulheres e meninas: nas escolas, na vida profissional, na política, nos esportes, entre outros.

Os estudantes interessados podem concorrer enviando suas inscrições e vídeos até o dia 30 de setembro de 2016. As inscrições estão disponíveis em: www.ovalentenaoeviolento.org.br, na aba Concurso. Os vídeos devem ter a duração máxima de 1 minuto e podem ser realizados nos mais diferentes formatos: minidocumentário, ficção, animação, sequência de fotos, textos ou desenhos, matéria jornalística, entre outros.

Campanha UNA-SE - A Campanha “UNA-SE para Pelo Fim da Violência contra as Mulheres” é um marco de ação integral para prevenir e eliminar a violência contra mulheres e meninas em todas as partes do mundo. Foi lançada pelo secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, em fevereiro de 2008 com o objetivo de gerar mais consciência pública e aumentar a vontade política e os recursos designados a prevenir e responder à violência contra mulheres e meninas. Dessa forma, a iniciativa faz um chamado a governos, sociedade civil, meios de comunicação, setor privado, a jovens, homens e mulheres, a somar esforços para pôr fim à violência contra as mulheres e meninas.

“O Valente não é Violento” – “O Valente não é Violento” é uma iniciativa da ONU, vinculada à campanha UNA-SE Pelo Fim da Violência contra as Mulheres, que tem como objetivo estimular a mudança de atitudes e comportamentos dos homens, enfatizando a responsabilidade que devem assumir na eliminação da violência contra as mulheres e meninas.

Sobre o dia 25 de Julho – A data é um marco internacional da luta e resistência da mulher negra contra a opressão de gênero, o racismo e a exploração de classe. Foi instituída, em 1992, no I Encontro de Mulheres Afro-Latino-Americanas e Afro-Caribenhas, para dar visibilidade e reconhecimento à presença e à luta das mulheres negras nesse continente.