Fale Conosco

29 de julho de 2009

Pacientes residem em João Pessoa e apresentaram sintomas, além de fatores de risco para complicações



A Secretaria de Estado da Saúde (SES) está investigando mais dois casos suspeitos de Influenza A-H1N1 em pacientes de João Pessoa, que apresentaram sintoma gripal e fatores de risco para complicações decorrentes de gripe.

Os casos suspeitos são de uma dona-de-casa de 39 anos e um uma professora universitária de 31, que estão em isolamento hospitalar. Com esses, são quatro casos em investigação no Estado. Desde o surgimento do novo vírus, foram feitas 29 notificações, sete delas confirmadas e 18 descartadas. Uma pessoa morreu.

A gerente de Resposta Rápida da SES, Diana Pinto, disse que a dona-de-casa não teve contato com casos suspeitos de gripe A, mas está recebendo a assistência médica conforme recomendação do Ministério da Saúde (MS), porque tem uma cardiopatia e uma doença metabólica crônicas.

A paciente iniciou os sintomas no dia 27 deste mês, com febre, tosse, dispnéia, dor de garganta, mialgia (dor muscular) e coriza. Ela foi avaliada e internada no Hospital Universitário Lauro Wanderley, na terça-feira (28), e está sendo medicada.

A professora universitária iniciou um quadro gripal (com febre, calafrio, dispnéia, artralgia, mialgia e coriza) no dia 24 deste mês, mas o caso só foi notificado na terça-feira (28), quando a paciente procurou um hospital privado de João Pessoa, aonde está internada. Ela tem uma infecção pulmonar e, por isso, foi notificada como caso suspeito a ser investigado.

“Segundo estimativa da Organização Mundial da Saúde (OMS), até agosto de 2011 um terço da população (uma em cada três pessoas) deverá contrair a nova gripe no mundo. Deveremos ter, aqui na Paraíba, um aumento de casos nos próximos meses. Isso é esperado. Insistimos com as pessoas que ao sentirem febre repentina, acompanhada de tosse ou dor na garganta, procurem assistência médica para que sejam avaliados os riscos”, explicou Diana Pinto.

Medicação
– Ela esclareceu que o fato dos exames coletados na Paraíba serem encaminhados ao Instituto Evandro Chagas em Belém (PA), e demorarem em média três dias para ficar prontos, não interfere no tratamento dos pacientes.

“Se o paciente se enquadrar nos casos que devem ser medicados e estiver com até 48 horas do início dos sintomas ele será medicado com o Oseltamivir, independente do resultado do exame de isolamento viral. Além de não haver indicação de medicação para os casos leves, que evoluem para a cura espontaneamente, isso contribuiria para deixar o vírus mais resistente e é isso que queremos evitar”, explicou.

Casos no Estado – Além desses dois casos, estão sendo investigados mais dois, também de João Pessoa: um surfista de 31 anos, que esteve no Rio de Janeiro (RJ), e tem imunodepressão, e uma estudante de 18 anos que esteve em Brasília (DF). Ela tem asma. Até agora, a SES notificou 29 casos suspeitos da nova gripe no Estado.

O paciente que foi a óbito era um estudante de Enfermagem de 31 anos, morador de João Pessoa, que morreu na madrugada da terça-feira (28) na UTI do Hospital Universitário Lauro Wanderley, na Capital, onde estava internado desde o dia 22 deste mês.
 

Da Assessoria de Imprensa da SES-PB