João Pessoa
Feed de Notícias

Orquestra Sinfônica Jovem toca o tropicalista Rogério Duprat

quarta-feira, 12 de maio de 2010 - 09:18 - Fotos: 
A Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba (OSJPB) volta a subir ao palco do cine-teatro Bangüê nesta quinta-feira (13/05), às 20h30, com duas grandes (e ótimas) novidades: a estreia, no Nordeste, de uma obra do famoso Ravel e o arranjo sinfônico para uma composição do ícone tropicalista Rogério Duprat. Além disso, o programa contempla peças do russo Alexander Borodin e da francesa Cécile Chaminade.

A  regência do concerto desta quinta será do maestro-titular Luiz Carlos Durier e contará com a participação do flautista Renan Rezende, como o solista convidado da noite. A apresentação, o terceiro concerto oficial da OSJPB, integra o programa ‘Quintas Musicais’, desenvolvido pelo Governo do Estado através da Funesc (Fundação Espaço Cultural da Paraíba). A entrada será 1 kg de alimento não perecível.

O concerto abre com “Nas Estepes da Ásia Central”, poema sinfônico do compositor russo Alexander Borodin (1833-1887), um médico apaixonado por química que, na música, mostrara dons precoces. Compôs poucas obras, mas os especialistas classificam essas poucas de perfeitas! Entre seus feitos, a composição da primeira epopeia musical russa, “O príncipe Igor”, obra-prima que levou 18 anos para ser concluída.

Na sequência, a Sinfônica Jovem executa o “Concertino para flauta em Ré Maior, Op. 107”, da pianista e compositora francesa Cécile Chaminade (1857-1944), com a participação do solista Renan Rezende.  “Chaminade compôs o seu concerto originalmente para flauta e piano, mas ganhou muitas orquestrações em todo o mundo. Nesta versão, apresentaremos o trabalho orquestral de Ernst Mahle. Esta singela, delicada e virtuosa composição é, sem dúvida, a grande paixão dos flautistas. Não é a toa que o público se apaixona também”, comenta Luiz Carlos Durier.

Paraibano de João Pessoa, o jovem Renan, hoje com 22 anos de idade, começou a estudar música aos 8, já na flauta transversal. Bacharel em Música diplomado em 2009 pela UFPB, foi flautista durante quase 10 anos da Orquestra Infanto-Juvenil da UFPB e atualmente é 1ª flauta da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba e da Orquestra de Câmara da Cidade de João Pessoa. Na Orquestra Sinfônica da Paraíba, tem participado frequentemente como flautista convidado.

Após o intervalo, a OSJPB retoma o concerto com “Valsas nobres e sentimentais”, obra escrita pelo compositor e pianista francês Maurice Ravel (1875–1937) em 1911, que será executada pela primeira vez por uma orquestra sinfônica nordestina.  

“’Valsas nobres e sentimentais’ é um conjunto de oito pequenas valsas”, explica o maestro. “Cada uma delas mostra um temperamento e estado de ânimo. É sempre um desafio para todo conjunto musical tocar Ravel em virtude das exigências e efeitos timbrísticos da orquestra”, acrescenta.
 
E do clássico francês, a Orquestra Jovem chega ao Tropicalismo, encerrando a grande noite com um surpreendente arranjo sinfônico para “Baianos D’outrora”, do maestro e compositor carioca Rogério Duprat (1932 – 2006). Duprat foi o gênio criativo por trás do Tropicalismo de Gilberto Gil e Caetano Veloso. De formação erudita, procurava romper com as barreiras entre a música clássica e a popular.

“A música brasileira está sempre presente no repertório da OSPB Jovem, desta vez um lindo momento da MPB, a Tropicália de Caetano e Gil, num arranjo sinfônico magnífico do maestro paulista Rogério Duprat”, comenta Durier. Canções como: “Baby”; “Domingo no parque”, “Alegria, alegria” e “Tropicália” foram arranjadas por Duprat, que também trabalhou com nomes como Mutantes, Jorge Ben Jor e Gal Costa.

Solista Convidado – Renan Rezende

Natural de João Pessoa na Paraíba nasceu em 1987. Iniciou seus estudos musicais em 1995 no curso de extensão da Universidade Federal da Paraíba, sob a orientação do professor José Augusto Maropo na classe de flauta transversal. Bacharel em Música diplomado em 2009 pela UFPB onde recebeu orientações dos professores Gustavo de Paco e Geraldo Rocha e do seu primeiro professor.

Participou de importantes festivais, tais como: Curso Internacional de Verão da Escola de Música de Brasília, do Festival Internacional de Inverno da mesma cidade e do Festival de Música de Câmara da Paraíba, onde teve aulas com renomados professores, entre eles: Jaroslav Pelikan, Odette Ernest Dias, Marcelo Barbosa, Sérgio Barrenechea e Vítor Diniz.

Foi flautista durante quase 10 anos da Orquestra Infanto-Juvenil da UFPB, atualmente é 1ª flauta da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba e da Orquestra de Câmara da Cidade de João Pessoa. Na Orquestra Sinfônica da Paraíba tem participado freqüentemente como flautista convidado.

Em abril de 2008 solou com a Orquestra Jovem o Divertimento Giocoso de Harold Genzmer para flauta e oboé e, a Suíte em si menor de Bach com a Camerata Extravaganza, formada especialmente para a ocasião.

Desenvolve atividades também na área popular. Ingressou em no ano 2008 no Chorisso, grupo de choro com o qual ganhou a edição 2008 do Projeto Pixinguinha e gravará um CD com obras inéditas de compositores paraibanos. É músico convidado do grupo de forró Clã Brasil, onde faz shows por todo Brasil.

É flautista do Cordas de Caroá, onde desenvolve um trabalho que mescla música armorial e poesia nordestina. Toca também em diversos grupos de samba, a exemplo do Pura Raiz  e do Mirandinha e Samba. Recentemente foi convidado a fazer uma turnê nacional com Quinteto Latino-Americano de Sopros através do projeto Sonora Brasil promovido pelo SESC.

Regente titular – Luiz Carlos Durier

Luiz Carlos Durier é natural de João Pessoa – PB. Iniciou seus estudos musicais durante o curso colegial com a professora Ione Marinho.

Licenciado em Educação Artística e Bacharel em Música pela UFPB, estudou Viola com Samuel Spinoza, Guillermo Campos, Pedro Pinto e Lara Venusta Lemos. Harmonia com José Alberto Kaplan, Estética com Luiz de Oliveira Maia (Silvério), Regência Coral com Rosinete Ferrer e Orquestral com Wolfgang Groth, período no qual atual como monitor-regente da Orquestra Juvenil da UFPB.

Realizou Máster Class de viola com os professores Juan Carlos Sarudiansky, Horácio Schaefer e Rafael Altino Garcia e, música de câmara, com Fredi Gerling, Iara Bernette e Educação Musical com Violeta de Gainza.

Regente Titular da Orquestra Sinfônica da Paraíba Jovem desde o ano de 1997, sob sua batuta, já se tornou uma tradição a JOVEM realizar estréias mundiais. Desde 2001 é o regente residente da OSPB.

Estudou Musicologia com o Maestro José Siqueira, participou dos Festivais de Brasília-DF, Campos do Jordão-SP e do Festival Eleazar de Carvalho em Fortaleza-CE (2000), onde estudou regência com o maestro Nelson Nuremberg. Na Escola de Música da UFRJ em 2003 estudou “Interpretação e Regência das Sinfonias de Beethoven” com o maestro Guillermo Scarabino.  

Foi aluno convidado do curso de regência do 37º Festival Internacional de Campos do Jordão, na classe do maestro Roberto Minczuk. Participou da Oficina de Música de Curitiba-PR (2005, 2006, 2008 e 2010) na classe de regência do renomado maestro Osvaldo Ferreira.

Na Escola de Música Anthenor Navarro é professor desde 1991, onde ensina Musicalização, Viola, Música de Câmara e a regência da Orquestra da EMAN.

Sua experiência lhe deu a oportunidade de reger a OSPB na gravação ao vivo do CD da cantora Marines e sua gente, assim como , na gravação do DVD de Sivuca e os Músicos Paraibanos.
Regeu a ORSSE – Orquestra Sinfônica de Sergipe. Participou das XIX e XX Semana de Música da UFRN, como professor da Classe de Regência e regente da Orquestra Sinfônica da EMUFRN.

Atua com freqüência acompanhando artistas populares com OSPB e OSJPB, tais como: Ângela Ro Ro, Arnaldo Antunes, Tico Santa Cruz e Renato Rocha (Detonautas), Genival Lacerda e  recentemente Alcione “Marrom”, com pleno sucesso de crítica e público.

Assessoria de Imprensa da Funesc