João Pessoa
Feed de Notícias

Orquestra Sinfônica da Paraíba apresenta concerto oficial da temporada nesta quinta-feira

terça-feira, 13 de setembro de 2016 - 10:15 - Fotos:  Divulgação

Músicas de dois compositores brasileiros e um alemão integram o programa que a Orquestra Sinfônica da Paraíba vai executar no 7º Concerto Oficial da Temporada 2016 nesta quinta-feira (15), com regência do maestro convidado Osvaldo Ferreira, diretor artístico da Sociedade de Concertos de Brasília. A apresentação começa às 20h30, na Sala de Concertos Maestro José Siqueira, no Espaço Cultural, em João Pessoa, com a participação, como solista, do saxofonista Dilson Florêncio, o primeiro e único sul-americano a obter o 1° Prêmio de Saxofone do Conservatoire National Supérieur de Musique de Paris. Os ingressos custam R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia entrada).

O concerto será aberto com a execução de “Salve, Salvador”, composição do Wellington das Mercês, trompetista baiano que tem feito arranjos de várias canções da MPB e de artistas consagrados como Tom Jobim, Ivan Lins, Moacir Santos e Djavan, dentre outros

Em seguida, os músicos vão mostrar “Fantasia Urbana para Sax Alto e Orquestra Sinfônica”, de Paulo Moura, compositor, arranjador, saxofonista e clarinetista brasileiro de choro, samba e jazz nascido em São José do Rio Preto, no Rio de Janeiro. Paulo Moura, que faleceu em julho de 2010, era considerado um dos principais nomes da música instrumental do Brasil. Para a execução dessa música, a orquestra contará com o saxofonista Dilson Florêncio.

Após o intervalo, será a vez da “Sinfonia nº 3 em Lá Maior, Op. 56 – Escocesa”, de Felix Mendelssohn, compositor e regente de orquestra alemão.  Mendelssohn é um compositor eclético, embora de linguagem muito pessoal. Inspirado por sentimentos românticos, ele criou obras de alta qualidade formal, fiel ao classicismo vienense.

O maestro Osvaldo Ferreira destacou a satisfação em voltar a reger a sinfônica paraibana. “Pela terceira vez, dirijo a Orquestra Sinfônica da Paraíba e regresso sempre com vontade redobrada para trabalhar com este grupo de profissionais com quem tenho partilhado excelentes momentos artísticos. Em todos os programas, tive a oportunidade de reger obras dos grandes clássicos e, ao mesmo tempo, apresentar obras novas de autores brasileiros e partilhar o palco com solistas prestigiados. Apresentaremos a Fantasia Urbana de Paulo Moura e Sinfonia Escocesa de Mendelssohn. Um programa maravilhoso a ser desfrutado por todos no dia 15”, completou.

O regente – Atualmente, Osvaldo Ferreira é o diretor artístico da Sociedade de Concertos de Brasília. Foi o diretor musical e regente titular da Orquestra Sinfônica do Paraná de 2011 até março de 2014 e diretor da Oficina de Música de Curitiba, o maior evento musical da América Latina, desde 2009.

Em Portugal, foi diretor artístico da Orquestra do Algarve, diretor artístico do Festival Internacional de Música do Algarve, diretor e administrador do Teatro Municipal do Faro. Gravou vários CDs com obras de autores portugueses para a Editora Numérica e um CD duplo com Sinfonias de Mozart. Com a Orquestra do Algarve, apresentou-se em Viena, Bruxelas, Lisboa, Sevilha, Porto, Curitiba e Londres.

O seu percurso inclui mais de 600 concertos, cerca de 70 apresentações de óperas e bailados e ainda a apresentação integral das Missas e Réquiem de Mozart em 2007. A sua ligação com a música contemporânea é um dos aspectos mais importantes do seu trabalho, destacando-se a apresentação de estreias e primeiras audições de obras de alguns dos mais importantes compositores da atualidade, tais como, Krzysztof Penderecki, Lera Auerbach, Jean-Luc Ponty, Bernardo Sasseti, Hans Rosenschoon, George Ligeti, entre outros.

A qualidade e criatividade da sua programação foram objeto de rasgados elogios pela crítica especializada em Portugal, em vários anos como diretor da Orquestra do Algarve e como diretor Artístico de vários festivais de música e de ópera, tendo trabalho com alguns dos mais importantes solistas da atualidade.

Maestro convidado regular em Portugal, União Europeia, Rússia, Brasil, África do Sul, Venezuela, Paraguai, México, Canadá e EUA, gravou para a RTP, TV Polonesa, TV Educativa do Paraná, RDP e Editora Numérica, destacando-se o seu trabalho em orquestras como Orquestra Filarmônica de S. Petersburgo, Sinfônica de Roma, Orquestra Gulbenkian, Orquestra Sinfônica Brasileira, Orquestra de Praga, Orquestra Filarmônica de Lodz, Orquestra Filarmônica da Silesia, Orquestra Nacional do Porto, Orquestra Nacional do Paraguay, Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Mozarteum de S. Petersburgo, Orquestra do Teatro Nacional S. Carlos em Lisboa, Orquestra do Teatro Olimpico de Vicenza, Orquestra da Extremadura de Espanha, Orquestra da Catalunha, North Shore Orchestra em Chicago, San Diego Arts Center Festival, Orquestra do Festival de Aspen nos Estados Unidos e ainda a Orquestra Nacional da Venezuela, em Caracas.

Realizou Mestrado em direção de orquestra em Chicago e pós-graduação no Conservatório de São Petersburgo, na classe de Ilya Mussin. Laureado em 1999 no Concurso Sergei Prokofiev, na Rússia. Recebeu o “Fellowship” do Aspen Music Festival nos EUA, onde frequentou a American Conductors Academy. Foi assistente de Claudio Abbado em Salzburgo. Estudou ainda com Jorma Panula, David Zinman e Daniel Baremboim e foi bolsista do Ministério da Cultura de Portugal e da Fundação Calouste Gulbenkian em Lisboa.

O solista – Dilson Florêncio (saxofone) é o primeiro e único sul-americano a obter o 1° Prêmio de Saxofone do Conservatoire National Supérieur de Musique de Paris (CNSMP) e tem uma longa lista de conquistas. Após iniciar seus estudos de saxofone aos 11 anos, na Escola de Música de Brasília, ingressou na UnB (Universidade de Brasília), onde estudou com o professor Luiz Gonzaga Carneiro e lutou pela criação de um curso de saxofone, tornando-se, aos 21 anos, o primeiro brasileiro diplomado em saxofone. Em seguida, continua seus estudos no CNSMP com o grande mestre francês Daniel Deffayet.

Dilson Florêncio, que é artista Jaf Mouthpieces, Selmer Paris e Vandoren Paris, tem se dedicado à divulgação e propagação do saxofone erudito. Nessa sua jornada, apresentou-se em todo o Brasil e na Argentina, Colômbia, França, Espanha e Canadá. Suas apresentações incluem performances como recitalista, quartetos de saxofones e solista em mais de 50 concertos com orquestra, sob a regência de maestros como Isaac Karabtchevsky, David Mackenzie, Fábio Mechetti, Roberto Duarte, Marcos Arakaki, Claudio Cruz, Osman Giuseppe Gioia, Carlos Veiga, Roberto Minczuc, Per Brevig, Silvio Barbato, Ligia Amadio, Pablo Saelzer, Silvio Viegas, Marcelo Ramos e Mário Tavares.

Dilson foi reconhecido igualmente com vários prêmios que – além do prêmio do CNSMP – incluem o prêmio de Vencedor do IV Concurso Jovens Concertistas Brasileiros em 1985 e Primeiro Prêmio nas duas competições regionais que participou na França (1er Prix Supérieur, em 1984, e Prix d’Exellence, em 1985). Como um profissional experiente, foi convidado a integrar o júri de muitos concursos, entre eles, o Concours Léopold Bellan (Paris, 1987), o concurso final do CNSMP, em 2007 (exatamente 20 anos depois que obteve o 1° Prêmio nesse concurso) e o Concurso Internacional Adolphe Sax, em Dinant, Bélgica, em 2010.

Dilson naturalmente compreende a importância do ensino e é apaixonado por ele. Durante sua permanência em Paris (1983-1987), atuou como professor convidado em diversas instituições, entre elas os Conservatoires des 12ème e 17ème Arrondissements de Paris. De volta ao Brasil, foi inicialmente professor da EMB – exatamente onde começou seus estudos. Em 1990, conseguiu mais um espaço para o saxofone no Brasil, ao ser contratado por concurso pela UFMG (Universidade Federal de Minas Gerais) como o primeiro professor universitário no Brasil dedicado exclusivamente ao saxofone.

Em 2012, após transferência, passa a lecionar na UFPB (Universidade Federal da Paraíba). Além disso, ensina nos principais festivais de música do Brasil, onde tem grande prazer em motivar e ajudar novos talentos.

Em outubro de 2015, em reconhecimento por todo o seu trabalho em prol do saxofone erudito no Brasil, foi instituído em Brasília um concurso internacional portando seu nome, o “Concurso Internacional de Saxofone Dilson Florêncio”.

 

Serviço:

7º Concerto Oficial da Orquestra Sinfônica da Paraíba

Data: Quinta-feira (15/09/16)

Hora: 20h30

Local: Sala de Concertos Maestro José Siqueira, no Espaço Cultural

Regente: Osvaldo Ferreira

Solista: Dilson Florêncio (saxofone)

Entrada: R$ 4 (inteira) e R$ 2 (meia)

Programa:

- “Salve, Salvador”, de Wellington das Mercês

- “Fantasia Urbana para Sax e Orquestra Sinfônica”, de Paulo Moura, com Dilson Florêncio como solista

- “Sinfonia nº 3 em Lá Maior, Op. 56 – Escocesa”, Felix Mendelssohn