Fale Conosco

7 de maio de 2014

Orquestra Jovem abre temporada apresentando três peças inéditas na Paraíba



A temporada de 2014 da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba começa nesta quinta-feira (8). Os músicos apresentam concerto com um repertório diversificado, que inclui música brasileira, danças que alegram e empolgam, música descritiva que inspira o patriotismo e uma variedade de melodias ao som de oboé, com solo de Alisson Azevedo. O concerto acontece na Igreja Presbiteriana de João Pessoa, que fica na rua Deputado Odon Bezerra, 294, Tambiá. A apresentação tem início programado para as 20h e a entrada é gratuita. O espetáculo também será transmitido ao vivo pela Rádio Tabajara.

Os amantes da música erudita também terão a oportunidade de apreciar três peças que nunca foram tocadas aqui na Paraíba, de acordo com o Maestro Luiz Carlos Durier, são elas: “Abertura Brasil 2012”, de Dimitri Cervo; “Introdução, Tema e Variações, Op. 102 para Oboé e Orquestra”, de autoria de J. N. Hummel; e “Danças Norueguesas”, de Edward Grieg.

O concerto inicia com a obra ‘Abertura Brasil 2012’, que, conforme relato do compositor Dimitri Cervo, foi concebida em um jorro criativo de três dias e polida posteriormente. O tema lento inicial é contagiado por transformações rítmicas e harmônicas que conduzem a obra a um grandioso final. Nessa obra se fazem presentes as marcantes características de estilo de Cervo, como irregularidades métricas e expressividade melódica, aliadas a um pulso constante. Também existe influência das aberturas de Beethoven, no tocante ao esquema formal lento-rápido, na transformação do tema lento intimista e um tema heroico, e no cuidadoso plano de dinâmicas. Sobre a peça, o músico Ricardo B. Lima Faria Corrêa disse: “…uma das mais significativas de sua produção, colocando-se à altura do que de melhor temos na música sinfônica brasileira”.

Em seguida, será executada a obra ‘Introdução, Tema e Variações, Op. 102 para oboé e orquestra’ de J. N. Hummel, amplamente tocada e gravada por grandes intérpretes. Uma partitura leve e agradável para quem toca e para quem ouve. As variações possibilitam sempre uma surpresa sonora e timbrística, já que este instrumento tem ricas qualidades sonoras. Esta peça tem uma introdução lenta e dramática que contrasta com a leveza do tema principal. Nas varrições o solista tem uma interação com a orquestra, formalizando assim, uma parceria musical digna das mais perfeitas democracias. Diálogos que se fundem com um só propósito. A arte musical.

Na sequência, a Orquestra Jovem tocará as ‘Danças da Noruega, op. 35’, do compositor norueguês Edvard Grieg que são, na maior parte, baseadas em músicas encontradas na coletânea de canções populares de Ludvig Mathias Lindemans. Como muitos conjuntos de danças nacionais do século XIX, as danças norueguesas de Grieg foram originalmente escritas para piano a quatro mãos, para satisfazer a procura de música ligeira, para diversão em casa. Posteriormente foi orquestrada pelo maestro checo Hans Sitt, com grande sucesso. Todas as quatro danças são em forma ternária simples. As Danças norueguesas são de fácil assimilação e bom gosto musical. Leva o ouvinte na mais pura diversão.

O público também poderá ouvir ‘Finlândia Op. 26’, obra que tornou o nome de Jean Sibelius conhecido mundialmente. Apesar das lendas, todas as melodias foram compostas pelo autor, não há nada de origem folclórica. O forte desta música são atmosferas opostas de solenidade e júbilo, de sugestões de paisagens finlandesas e da máscula demonstração do povo finlandês. É um retrato da libertação do domínio czarista no século dezenove. A obra em forma de Poema Sinfônico – esquema formal de fundo programático grandemente desenvolvido durante o período romântico – foi várias vezes abordadas por Sibelius. Aqui ele desejou evocar através da música, estados de ânimo, personagens, paisagens e até mesmo situações dramáticas. O compositor encontrou nesse maleável meio de expressão o veículo perfeito para concretizar sonoramente alguns dos ideais de compositor nacionalista.

Como estamos felizes de inaugurar a Temporada 2014 na companhia destes quatro excelentes compositores, e consequentemente, dos nossos queridos ouvintes de toda a Paraíba, através da Rádio Tabajara com transmissão ao vivo, compartilhando as emoções de um grupo musical paraibano, nordestino e brasileiro”, disse o maestro Luiz Carlos Durier.

Serviço:

1º Concerto Oficial da Orquestra Sinfônica Jovem da Paraíba

Regência: Luiz Carlos Durier

Solista: Alisson Azevedo (oboé)

Data: 8 de maio

Hora: 20h

Local: Igreja Presbiteriana de João Pessoa (bairro Tambiá)

Entrada: Gratuita

PROGRAMA

DIMITRI CERVO (1968)

Abertura Brasil 2012

J. N. HUMMEL (1778 – 1837)

Introdução, Tema e Variações, Op. 102 para oboé e orquestra.

Solista: ALISSON AZEVEDO

EDWARD GRIEG (1846 – 1907)

Danças Norueguesas, Op. 35 – Orquestração: Hans Sitt

Allegro moderato

Allegretto tranquilo grazioso

Allegro moderato alla Marcia

Allegro molto

JEAN SIBELIUS (1865 – 1957)

Finlândia, Op. 26 – Poema Sinfônico