João Pessoa
Feed de Notícias

Orientadores do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa participam de seminário em João Pessoa

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015 - 18:44 - Fotos: 

Cinquenta e seis orientadores de estudo da rede estadual e orientadores das redes municipais de ensino participaram, nesta terça-feira (24), no Espaço Cultural, em João Pessoa, do seminário do Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa (Pnaic) para o ano de 2014. Neste encontro de finalização do ano de 2014, além da apresentação de seminários e das experiências exitosas também acontece a preparação e o planejamento para a última fase do Pnaic que acontecerá em 2015.

“Como o Pnaic no ano passado só começou em abril, o último seminário da proposta de 2014 está sendo realizado agora. Neste encontro, além das avaliações, estão sendo apresentadas boas práticas e está acontecendo a socialização das experiências que foram exitosas nas escolas com os professores”, explicou a gerente de Educação Infantil e Ensino Fundamental da Secretaria de Estado da Educação (SEE), Aparecida Uchôa.

A secretária executiva de Gestão Pedagógica da Educação, Roziane Marinho, destacou a importância do pacto. “Podemos resumir a importância do Pnaic em quatro aspectos: primeiro como política pública voltada para os anos iniciais, segundo precisamos entendê-lo como proposta de formação continuada; o terceiro aspecto é entendê-lo como fortalecimento da concepção de alfabetização e quarto perceber sua importância na ampliação da interlocução entre a universidade e a escola”, destacou a secretária.

PNAIC – O Pacto Nacional pela Alfabetização na Idade Certa é um compromisso formal assumido pelos governos federal, do Distrito Federal, dos estados e municípios de assegurar que todas as crianças estejam alfabetizadas até os oito anos de idade, ao final do 3º ano do ensino fundamental.

Dentro dessa visão, a alfabetização é, sem dúvida, uma das prioridades nacionais no contexto atual, pois o professor alfabetizador tem a função de auxiliar na formação para o bom exercício da cidadania. Para exercer sua função de forma plena é preciso ter clareza do que ensina e como ensina. Para isso, não basta ser um reprodutor de métodos que objetivem apenas o domínio de um código linguístico. É preciso ter clareza sobre qual concepção de alfabetização está subjacente à sua prática.