Fale Conosco

8 de janeiro de 2013

Operários do Centro de Convenções de João Pessoa assistem espetáculo teatral



O ‘Projeto Arte no Canteiro’, do Serviço Social da Indústria (Sesi), vai levar, a partir desta quarta-feira (9) até sexta-feira (12), sempre às 16h30, um espetáculo teatral para o canteiro de obras do Centro de Convenções Ronaldo Cunha Lima, em João Pessoa. A proposta é utilizar os equipamentos de proteção, bem como os materiais presentes no dia a dia da construção civil, como personagens para alertar os trabalhadores do setor sobre a saúde e segurança do trabalho, evitar desperdícios de tempo e materiais e estimular a educação ambiental.

De acordo com o Sesi, essa peça vai percorrer os estados de Minas Gerais, Paraíba e Mato Grosso do Sul, devendo fazer um total de 380 apresentações. Só na Paraíba, a estimativa é atingir um público de 20 a 30 mil pessoas em quatro meses. A peça será apresentada também em Campina Grande nesta quinta-feira (10), no  Ginásio do Sesi, no Distrito Industrial.

De acordo com os organizadores do projeto, a peça levará arte ao ambiente de trabalho, combinando humor, ação, criatividade e informação, de forma a proporcionar, aos operários, educação de modo leve e espontâneo. “Nossa proposta é conscientizar, educar e divertir a partir dos objetos da indústria que fazem parte do repertório diário do trabalhador da construção civil. Um pouco como a palavra geradora de Paulo Freire”, explicou a diretora de criação, Lina Rosa Vieira.

O projeto surgiu a partir da percepção e preocupação do Sesi com o aumento do número de acidentes com os trabalhadores da construção civil, já que este número é proporcional ao crescimento do setor, que é o que mais emprega no País.

Os problemas de segurança encontrados diariamente nos canteiros são tratados na peça com um enfoque que, mesmo pautado em normas técnicas, privilegia uma abordagem mais humana e divertida dos conteúdos. “Personagens criados a partir de objetos utilizados na construção civil, como uma desempenadeira, um balde, um carrinho de mão, uma caçamba e uma pá, encenam uma série de situações que levarão os operários a refletir sobre a segurança em suas próprias rotinas de trabalho”, disse o diretor do espetáculo, Osvaldo Gabrieli.