João Pessoa
Feed de Notícias

Operação Playboy prende cinco pessoas acusadas de clonar cartões

quarta-feira, 13 de abril de 2011 - 15:12 - Fotos: 

 

Acusados foram presos em Camboinha

Policiais do Grupo de Operações Especiais da Polícia Civil (GOE), em parceria com a Polícia Rodoviária Federal (PRF) e o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Púbico Estadual, prenderam, na manhã desta quarta-feira (13), na Grande João Pessoa, cinco pessoas acusadas de clonagem de cartões e outros crimes. Foram presos os pernambucanos André Cruz Sousa Leão (31) e Gustavo Henrique Feijó Pessoa (32); José Nilson Dantas Júnior (29), Felipe Brito Germoclio (32) e José Nilson Dantas (54), pai de Nilson Júnior.

De acordo com o delegado do GOE, Jean Francisco Nunes, as investigações começaram há meses, a partir do recebimento de denúncias de clonagem de cartões de crédito e roubo de veículos. “Com as informações, montamos uma operação conjunta para identificar e prender os responsáveis”, disse o delegado Jean. Os acusados foram presos em Camboinha (Cabedelo)  e Manaíra (João Pessoa).

Com o grupo, os policiais apreenderam vários cartões clonados, documentos, dois revolveres, aparelhos de ar condicionado, computadores, sete motos, um quadriciclo, dois veículos (um i30 da Hyundai roubado e uma L200, da Mitsubish). “Estamos investigando para saber se a L200 também é produto de roubo”, frisou.

 

Motos apreendidas durante operação

Jean Francisco falou que os envolvidos realizavam compras em João Pessoa e Recife, utilizando os cartões clonados. “Depois, esbanjavam o dinheiro fácil, fazendo festas e acendendo cigarros com notas de 50 reais, mais de um milhão de reais em compras, inclusive, conseguiam aumentar o limite dos cartões que eram clonados por meio de um pequeno aparelho instalado nas maquinetas dos estabelecimentos comerciais”, disse o delegado, ressaltando que a polícia está investigando o envolvimento de proprietários e funcionários desses estabelecimentos.

Todos foram encaminhados para a sede do GOE, na Secretaria da Segurança e da Defesa Social, no bairro de Mangabeira e deverão responder pelos crimes de estelionato, receptação, roubo, formação de quadrilha, entre outros. “Estamos aprofundando as investigações, realizando buscas e outras pessoas poderão ser presas”, disse o delegado Jean Francisco.