Fale Conosco

18 de novembro de 2011

Oficina da SES treina profissionais da saúde para lidar com tema da violência diante da mídia



Uma oficina com formação em comunicação preparou profissionais da área de saúde para lidar, diante da mídia, com o tema da violência doméstica e sexual contra a mulher e o adolescente.

Realizado no Espaço Cultural, em João Pessoa, nestas quinta e sexta-feira (17 e 18), o curso foi direcionado a médicos que coordenam equipes hospitalares, profissionais que chefiam serviços diversos da área de comunicação social, que atendem diretamente o público, ou que têm potencial para desenvolver o papel de porta-vozes em instituições de saúde. Eles foram público do treinamento por serem os profissionais mais solicitados a falar com a imprensa.

O objetivo foi prepará-los para abordar sem preconceitos e tabus assuntos considerados complexos.

“Temos que estar preparados para lidar com a mídia de uma forma mais eficaz para combater a violência sexual e doméstica”, destacou a coordenadora da área técnica de Saúde da Mulher da Secretaria de Estado da Saúde, Fátima Morais.

O curso é uma iniciativa do Instituto Patrícia Galvão, em parceria com o Ministério da Saúde e a Secretaria de Estado da Saúde. Eventos semelhantes veem acontecendo em todo país há três anos. Na Paraíba, esta é a 16ª oficina e a intenção do Governo Federal é contemplar todos os Estados até 2012.

“Assim como a gente quer que a mídia entenda a lógica da saúde, os profissionais da saúde também devem entender a lógica da mídia para torná-la aliada das nossas ações”, disse Ângela Freitas, representante do Instituto Patrícia Galvão, com sede em São Paulo, que foi a facilitadora da oficina.

Durante a capacitação técnica, houve a apresentação de vídeos com depoimentos de jornalistas, dando dicas para comportamento diante da mídia e, em seguida, foram simuladas entrevistas em rádio e TV, onde os participantes falavam sobre o tema.

“A nossa pretensão é que os profissionais saiam daqui entendendo os meios de comunicação como parceiros e fortalecidos para o enfrentamento da violência contra a mulher e o adolescente”, disse a consultora técnica Denis Ribeiro, representante do Ministério da Saúde.

Assistência às vítimas – A Secretaria de Estado da Saúde oferece atendimento às vítimas de violência a partir de 11 anos de idade, por meio de uma equipe de referência da Maternidade Frei Damião, em João Pessoa. A orientação é que a primeira providência seja levar as vítimas para atendimento em um hospital para evitar doenças e a gravidez indesejada. Somente depois desse procedimento elas devem ser encaminhadas às delegacias e promotoria.