João Pessoa
Feed de Notícias

Novas gerações resgatam a cultura indígena na Paraíba

sexta-feira, 19 de abril de 2013 - 17:07 - Fotos:  Kleide Teixeira/Secom-PB

Irembé Potiguara, 26 anos, e Rita de Cássia, 17 anos, índias potiguara, nasceram respectivamente nas aldeias Forte e Caieira, mas suas raízes estão na aldeia São Francisco, no município de Baía da Traição, Litoral Norte paraibano. Nesta sexta-feira (19), Dia do Índio, as duas indígenas recepcionavam visitantes, dançavam o toré e falavam sobre a luta do povo potiguar em manter viva sua cultura, sua língua, o tupi.

A índia Irembé Potiguara é professora de tupi em escolas indígenas da Baía da Traição e defende como guerreira a valorização e a cultura do povo potiguar. “A nossa função não só como professora, mas como membro da comunidade e do povo potiguara, é repassar essa cultura e os nossos costumes adiante”, afirmou.

A indígena fala com orgulho sobre o livro Potiguara – Índios na visão dos Índios, publicação lançada em 2011 e que neste Dia do Índio teve a segunda edição publicada pelo Governo do Estado, por meio de A União Superintendência de Imprensa e Editora. “A gente ter a possibilidade de escrever um livro, ser os protagonistas e autores desse livro é uma conquista muito grande e a possibilidade desta nova edição é um prêmio”, comemorou. Os mil exemplares da obra vão ser distribuídos nas escolas indígenas de Baía da Traição, Marcação e Rio Tinto.

Irembé agradeceu ao governador Ricardo Coutinho pela abertura no livro e pelos benefícios levados ao povo potiguara. “Eu acredito que este governo foi o que teve maior proximidade com a gente, todas as secretarias à nossa disposição. Então isso é essencial para nossa comunidade”, frisou. Ricardo participou das festividades na Aldeia São Francisco.

Na contracapa do livro Irembé Potiguara escreveu: “Com este livro desejamos mostrar a verdadeira face do nosso povo, rompendo com a imagem equivocada que muitas pessoas têm sobre os povos indígenas. Esperamos que esse trabalho colabore para que se estabeleça um diálogo sobre igualdade e respeito às diferenças”.

O livro foi escrito por 19 índios e índias. As fotografias são de autoria dos próprios indígenas que tiveram a orientação da ONG Thydêwá. O livro conta histórias do cotidiano dos índios e o Tupi é um dos textos escritos por Isaias Potiguara. Os índios também tratam sobre a formatura indígena. Poran Potiguara escreveu o texto Toré Potiguara. As parteiras e a reza também são registradas na obra.

União – A índia Rita de Cássia, 17 anos, participa do movimento indígena desde os 11 anos de idade. Ela integra a ONG Organização Jovens Indígenas Potiguara da Paraíba (OJIPB) e destacou a união do povo potiguara, um dos motivos do seu fortalecimento ao longo dos séculos. Com lágrimas nos olhos, a jovem expressou sua emoção: “O sentimento que tenho em ser potiguara é tão puro que é igual a uma lágrima”. Ela é estudante de Pedagogia em faculdade particular.