João Pessoa
Feed de Notícias

Nova diretoria constata situação de abandono no IASS

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011 - 13:03 - Fotos: 

A nova diretoria do Instituto de Assistência à Saúde do Servidor (IASS), antigo Ipep, se deparou com um prédio em situação de completo abandono, que inviabiliza o atendimento e o andamento das ações do órgão.

Durante inspeção realizada na tarde desta quinta-feira (13), a superintendente Maria da Luz Silva e o diretor geral Lula Mota encontraram duas realidades bastante distintas: uma (parte administrativa) ostentando luxo e outra (setores de atendimento aos servidores e dependentes) com lixo, mofo e cupins. Um levantamento da situação já foi providenciado pelos novos dirigentes.

Depois de concluído um projeto que foi divulgado como sendo de uma reforma geral da estrutura física do órgão, o IASS passou a oferecer ao pessoal da área administrativa um ambiente dotado de excelentes instalações, com direito a piso de porcelanato, escadarias de mármore, portas e divisórias de vidro e outras melhorias, incluindo um painel gigante ostentando as áreas recuperadas, com destaque para a fachada do prédio principal. Na parte periférica, entretanto, o que se fez contrasta com esse ambiente.

No Centro de Reabilitação (setor de Fisioterapia), por exemplo, “foi feita uma maquiagem por trás da qual foram escondidos problemas que não resistiriam à mais desinteressada das visitas do pessoal da Vigilância Sanitária ou do Conselho de Saúde”, segundo enfatizou uma funcionária do setor. Ali as condições de atendimento, de trabalho e de higiene são as piores possíveis.

Há banheiros quebrados há mais de um ano, inclusive sem adaptação para portadores de deficiência; equipamentos danificados ou em péssimas condições de uso; casas de cupins em alguns equipamentos de madeira e nas paredes, que também apresentam muito mofo; ferrugem, revestimento arrancado em várias partes do piso e sala de espera sem nenhuma opção de conforto para os pacientes.

“É exatamente neste local que os servidores do IASS se esforçam para oferecer serviços de reabilitação nas áreas de fisioterapia orto/trauma/reumatológica e respiratória, e ainda fisioterapia neurológica e assistência psicológica e social, coisa que só vinha acontecendo em razão da vocação e da dedicação de cada um deles, já que o ambiente em que trabalham não oferece as mínimas condições para a promoção de saúde”, comentou o diretor geral Lula Mota durante a inspeção.

Ele garantiu que a nova diretoria do IASS já está tomando as providências devidas no sentido de solucionar os problemas encontrados com a máxima urgência, não somente no Centro de Reabilitação, mas também no Departamento de Assistência Médica (Depra) e na Policlínica, onde há também atendimento de emergência.

lNo Depra, a situação é muito precária, e diariamente médicos e pacientes são obrigados a enfrentar salas com paredes completamente mofadas, muitas delas com parte do teto quebrada, e a arriscar suas vidas diante da presença de quadros de energia elétrica em permanente risco de curto-circuito, dada a presença de fios descobertos e expostos.

Os banheiros masculinos e femininos, inclusive a parte destinada aos médicos, também se encontram inteiramente deteriorados e ainda há mofo nas salas de esterilização do material utilizado pelos profissionais de saúde. Na Policlínica, onde há atendimento emergencial e serviço de exames laboratoriais, as dependências também foram encontradas em péssimo estado pelos atuais dirigentes do IASS.

“Nós estamos fazendo um levantamento de todos os problemas da parte física de atendimento aos servidores, e a determinação do Governo é de urgência na solução de todos eles, afinal de contas, o objetivo do IASS é, como o próprio nome diz, prestar assistência à saúde do servidor”, acrescentou Lula Mota.
 
Segundo ele, outras providências estão sendo tomadas, a exemplo da atualização do sistema de informática do órgão; a adoção da carteira magnética para identificação dos segurados e dependentes, garantindo, dessa forma, o atendimento às pessoas que realmente têm direito; e a criação de condições para que os servidores sejam atendidos pelos médicos nos horários previstos, com a máxima pontualidade possível. A marcação de consultas por telefone também será reativada e otimizada.