João Pessoa
Feed de Notícias

Museu Virtual sobre vida e obra de José Américo já está na rede mundial

quinta-feira, 4 de março de 2010 - 10:02 - Fotos: 
Nos 30 anos de morte do escritor, ministro e governador José Américo de Almeida, a Fundação que tem seu nome ganha o Museu Virtual José Américo. O endereço na rede mundial de computadores é www.museuvirtualjoseamerico.pb.gov.br .

Na Internet internautas de todo o planeta poderão ter acesso a cerca de 500 mil documentos, toda a obra do escritor e político Patrono da Fundação Casa de José Américo (FCJA) com sede na avenida Cabo Branco, orla de João Pessoa. O lançamento do museu virtual ocorreu na noite desta quarta-feira (3), na FCJA. O evento marca as homenagens aos 30 anos de falecimento do escritor, celebrado no dia 10 de março.
 
A autora do projeto do museu virtual sobre José Américo é a pedagoga Mabel Ribeiro Petrucci, que é funcionária da Fundação. O trabalho foi financiado pelo Fundo de Incentivo à Cultura, a Lei Augusto dos Anjos, que tem a gestão da Sub-secretaria de Cultura do Estado.

À época, o projeto custou R$ 19,5 mil e é fruto da sua dissertação de Mestrado. O internauta clicando em ‘Passeio Virtual’, percorre todos os ambientes da Casa de José Américo, desde os jardins até os cômodos, mostrando o quarto, as salas, a biblioteca e todo o acervo. O museu virtual também disponibiliza alguns áudios com José Américo, a exemplo de um discurso no Congresso Nacional, um jingle da campanha eleitoral e um discurso no Festival de Areia.

Na página do site o seguinte texto define o papel do museu “O museu é um espaço institucional permanente a serviço da sociedade e que tem um caráter educacional não formal, caracterizado pelo conhecimento descentralizado, simbólico e participativo, de motivação pessoal, que prima pela preservação, valorização e divulgação de todo e qualquer acervo que abriga em suas dependências.

O Museu Casa de José Américo é um exemplo cabal deste universo cultural vivenciado na representação material da história e memória do patrono da instituição, que foi um dos mais importantes representantes da nossa literatura e da nossa política”.
           
O subsecretário de Cultura do Estado, David Fernandes, avalia que o museu virtual sobre José Américo é mais uma ferramenta que ajuda a contar a história da Paraíba. Ele anunciou que a Subsecretaria está trabalhando em projetos para a construção de novos museus no Estado a exemplo do Museu da Cidade que vai tratar do Império e da República; o Museu da Colônia; o Museu da Revolução, em Princesa Isabel e o Museu Sivuca. Esses futuros museus certamente terão a parte virtual na Internet.

A presidente da FCJA, Letícia Maia, revela que o museu virtual também vai despertar a curiosidade dos alunos de escolas públicas e privadas para conhecer a Fundação, sua história e os arquivos de 28 ex-governadores do Estado, além de outras personalidades paraibanas. Letícia afirmou que a Fundação ganha uma ferramenta importantíssima, um marco na história da FCJA.

Mabel Ribeiro Petrucci revela que a vida e obra de José Américo de Almeida é um acervo riquíssimo e que poucas pessoas tem a dimensão do quanto é valioso. “O museu virtual vai disseminar as informações com o objetivo de fortalecer e valorizar a cultura paraibana, valorizando a nossa identidade através dos feitos de José Américo de Almeida”, afirma Mabel.

Professores e Doutores da Universidade Federal da Paraíba integram, junto com Mabel, que é a coordenadora pedagógica do projeto. A equipe técnica do museu virtual é composta ainda por Sonia de Almeida Pimenta, professora e Doutora; professor Doutor Guilherme Ataíde Dias; professora Mestre Maria Ilza Moreira Franco e José Getúlio.

 
A autora revela que o projeto não é apenas um simples site, mas, oferece um passeio virtual à Fundação Casa de José Américo e o sistema tem a arte visual do artista plástico Clóvis Júnior. A nível de Nordeste não há ainda um museu virtual do porte deste que disponibiliza 500 mil documentos, incluindo fotos da vida e obra de José Américo.
           
Presente ao evento, o presidente da Academia Paraibana de Letra, acadêmico Juarez Farias, afirmou que o Museu Virtual é um presente da melhor qualidade para a Fundação Casa de José Américo, uma forma de mostrar a um número bem maior de pessoas o José Américo cidadão, político e intelectual. “O museu virtual também é uma forma de mostrar que a Fundação é grande é funciona tão bem”, revela Juarez, acrescentando que José Américo era professor de literatura e sobretudo um paradigma de honestidade e  decência.
           
O escritor, político, advogado, professor e sociólogo José Américo nasceu na cidade de Areia, em 10 de janeiro de 1887. Formou-se na Faculdade de Direito do Recife em 1908, tendo sido promotor público nas comarcas do Recife (PE) e Sousa (PB), além de procurador geral da Paraíba, secretário de governo, deputado federal, interventor, ministro da Viação e Obras Públicas nos dois governos de Getúlio Vargas, senador, ministro do Tribunal de Contas da União, governador da Paraíba, fundador da Universidade Federal da Paraíba e primeiro reitor.

Ele chegou a ser pré-candidato a presidente da República, apoiado por Vargas para as eleições de 1938, mas o pleito não ocorreu em razão do golpe dado por Getúlio em 1937, que deu início à ditadura do Estado Novo. Na literatura, destacou-se no cenário nacional com a publicação de ‘A bagaceira’ (1928), romance inaugural do chamado Romance de 30. Foi o quinto ocupante da cadeira 38 da Academia Brasileira de Letras, eleito em 27 de outubro de 1966, na sucessão de Maurício Campos de Medeiros, sendo recebido pelo acadêmico Alceu Amoroso Lima em 28 de junho de 1967.

Na mesma solenidade a presidente da FCJA, Letícia Maia, apresentou as principais realizações da Fundação em 2009 e os projetos para o ano de 2010. Ainda prestigiaram o lançamento do Museu Virtual José Américo, o historiador e escritor José Octávio de Arruda Mello, a secretária executiva de Educação e Cultura do Estado, Emília Freire, Balila Palmeira, membro do Conselho Estadual de Cultura, e Ana Gouveia, vice-presidente da Fundação Espaço Cultural José Lins do Rego.

Josélio Carneiro, com fotos de Evandro Pereira, da Secom-Pb