João Pessoa
Feed de Notícias

Murilo Melo Filho fala sobre a sua obra ‘O Brasileiro Rui Barbosa’

segunda-feira, 15 de março de 2010 - 15:12 - Fotos: 
O jornalista e membro da Academia Brasileira de Letras, Murilo Melo Filho, concedeu entrevista coletiva na manhã desta segunda-feira (15), na Associação Paraibana de Imprensa (API), em João Pessoa, para falar sobre seu novo livro ‘O Brasileiro Rui Barbosa’, uma publicação de A União – Superintendência de Imprensa e Editora. A obra será lançada na Fundação Casa de José Américo (FCJA) nesta terça-feira (16), às 18h.

O livro inclui textos de apresentação da desembargadora e vice-presidente do Tribunal de Justiça da Paraíba, Maria de Fátima Bezerra Cavalcanti Maranhão, e da secretária de Comunicação Institucional do Governo, jornalista Lena Guimarães. O autor elogiou o conteúdo dos dois textos que comentam a obra.

O acadêmico Murilo Melo Filho revela que ‘O Brasileiro Rui Barbosa’, com 255 páginas, 14 capítulos e ilustrado com mais de uma dezena de fotos, é uma pesquisa realizada num período de dez anos. Para escrever o livro, o autor consultou cerca de 80 obras já publicadas sobre Rui Barbosa, incluindo os próprios textos do ilustre brasileiro, natural da Bahia. A biblioteca do próprio Rui foi uma das fontes de pesquisa.

Qualidade da obra – Murilo Melo Filho elogiou a arte e todo o acabamento do livro impresso por A União Superintendência de Imprensa e Editora. Sob a coordenação geral do superintendente Nelson Coelho, o editor da obra é Juca Pontes e a capa é assinada por Milton Nóbrega, designer e diretor de Operações de A União.

Murilo Melo Filho destaca na obra as virtudes de Rui Barbosa e revelou que “não se fazem mais Ruis Barbosas como antigamente”, acrescentando que o exemplo do biografado é a coerência e o livro “objetiva resgatar os valores deste grande brasileiro”.  Murilo é jornalista há 60 anos e ingressou na Academia Brasileira de Letras como jornalista.

Vida intensa – Na homenagem a Rui Barbosa, ele afirma que a vida do personagem foi muito intensa como jurista, professor, filólogo, advogado, conferencista, senador e como ministro da Fazenda, enfim, um homem de muitas facetas, registradas no livro. Murilo ressaltou que Rui foi um grande homem de cultura, de sabedoria, pela competência em defender suas idéias.

“Rui sempre foi um homem de luta, ninguém podia ser neutro em relação a ele, ou se era a favor ou se era contra”, observou Murilo, adiantando que o perfil do baiano ainda hoje tem uma mensagem muito importante para as atuais gerações de brasileiros, lembrando que Rui pertenceu ainda a uma escola política de idéias que pregava o civilismo, a abolição da escravatura, a federação, a república, todas essas bandeiras que ele defendeu durante toda sua vida.

Perfil do autor – Murilo Melo Filho é o sexto ocupante da Cadeira nº. 20 da Academia Brasileira de Letras, eleito em 25 de março de 1999, na sucessão de Aurélio de Lyra Tavares e recebido em 7 de junho de 1999 pelo acadêmico Arnaldo Niskier. O autor nasceu em Natal no dia 13 de outubro de 1928 e aos 18 anos foi para o Rio, onde estudou no Colégio Melo e Souza e foi aprovado em concursos públicos para datilógrafo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e do Ministério da Marinha, ingressando a seguir no jornal Correio da Noite como repórter de polícia. Trabalhou seguidamente na Tribuna da Imprensa, com Carlos Lacerda; no Jornal do Commercio, com Elmano Cardim, San Thiago Dantas e Assis Chateaubriand; no Estado de S. Paulo, com Júlio de Mesquita Filho e Prudente de Moraes Neto; e na Manchete, com Adolpho Bloch.

Estudou na PUC e na Universidade do Rio de Janeiro, onde se formou em Direito. Chegou a advogar durante sete anos. Como repórter free-lance, entrou para a Manchete, criando a seção ‘Posto de Escuta’, que escreveu durante 40 anos. Nessa mesma época, dirigiu e apresentou na TV-Rio, com Bony, Walter Clark e Péricles do Amaral, o programa político ‘Congresso em Revista’, que ficou no ar ininterruptamente durante sete anos, sendo a princípio produzido e apresentado no Rio e, depois, em Brasília.

Sempre em missões jornalísticas, acompanhou os ex-presidentes Juscelino Kubitschek a Portugal; Jânio Quadros a Cuba; João Goulart aos Estados Unidos, ao México e Chile; Ernesto Geisel à Inglaterra e à França; e José Sarney a Portugal e aos Estados Unidos.

É membro do Conselho Administrativo da Associação Brasileira de Imprensa (ABI) e membro da União Brasileira de Escritores (UBE). Em companhia de Arnaldo Niskier, R. Magalhães Jr. e Joel Silveira, escreveu ‘Cinco dias de junho’, sobre a Guerra de Israel.
 
Com Carlos Lacerda, Darwin Brandão, David Nasser, Edmar Morel, Francisco de Assis Barbosa, João Martins, Joel Silveira, Justino Martins, Otto Lara Resende e Samuel Wainer, escreveu o livro Reportagens que abalaram o Brasil.

Com textos de Gilberto Freyre, Josué Montello, José Lins do Rego, José Américo de Almeida, Antônio Houaiss, Raimundo Magalhães Jr., Eduardo Portella, Ronaldo Cunha Lima e Humberto Nóbrega, é um dos autores do livro ‘Augusto dos Anjos – A saga de um poeta’.

Josélio Carneiro, com fotos de Evandro Pereira, da Secom-PB