Fale Conosco

26 de setembro de 2011

Missão em Cuba gera expectativa de negócios de US$ 5,5 milhões para empresas paraibanas



As rodadas de negócios que os empresários paraibanos participaram em Havana, em Cuba, geraram uma expectativa de negócios de US$ 5,5 milhões para as 11 empresas do Estado. O governador Ricardo Coutinho destacou que Governo do Estado, a Federação do Comércio, as universidades e os empresários voltam dessa missão conhecendo mais sobre o mercado de Cuba e que a tendência é expandir esses valores.

A empresa Vijai, multinacional instalada na Paraíba que produz transformadores de energia elétrica, aproveitou a carência de geradores em Cuba e prospectou negócios para distribuir o produto para o país. Durante a rodada de negócio, a multinacional recebeu solicitações de orçamento da União Nacional de Energia para distribuição de transformadores, em um volume de cerca de US$ 4,5 milhões. A empresa ainda recebeu convite ir ao Haiti para conhecer o sistema elétrico e iniciar projeto para distribuição para o país.

O empresário Darci Dantas, da Vijai, contou que os cubanos ficaram entusiasmados com os equipamentos, pois além de não serem fabricados na América Latina, possuem um preço abaixo do que eles esperavam. Ele explicou que os engenheiros da empresa já foram acionados para entregar uma proposta ao governo cubano até o dia 10 de outubro.“A missão público e privada permitiu que a Vijai entrasse nas licitações de Cuba. Estamos nos preparando para fornecer à ilha e também ao Haiti”, adiantou.

Uma dos contratos fechados em Cuba foi entre o Transporte Marajó, de Bayeux, e a empresa estatal cubana Transcargo, para o transporte logístico dos produtos exportados na região Norte/ Nordeste para Cuba. Em Cuba, o transporte logístico é deficiente, o que representou para o empresário José Arlan Rodrigues um ambiente propício para a prestação de serviços de distribuição.

Segundo o empresário José Arlan, o acordo de cooperação prevê que o transporte dos produtos a serem exportado no Brasil para Cuba seja realizado pela empresa paraibana e que ao chegar em Cuba seja transferido pela Transcargo. “Quero ressaltar o papel do Governo e da Apex, que abriu às portas junto ao governo cubano e contribuiu para o fechamento de negócios com muita agilidade e confiança”, completou José Arlan.

Durante as rodadas de negócio a Usina São João recebeu uma proposta de compra de açúcar refinado para abastecer uma indústria cubana/ canadense que produz sucos em pó.  O empresário Felipe Ribeiro Coutinho está confiante que a negociação prospere, já que em Cuba a produção de açúcar refinado é muito baixa.

A usina São João também está fechando parceria como o Ministério do Açúcar de Cuba para a capacitação de profissionais da Paraíba, por meio de cursos oferecidos nas áreas de biotecnologia. A parceria foi discutida pelo empresário Felipe Ribeiro Coutinho e diretor de Relações Institucionais de Açúcar de Cuba, em Havana.

Durante a rodada de negócios foi discutido um acordo diplomático Brasil- Cuba para que a indústria de Papéis Fofex adquira financiamento junto ao BNDES para instalar uma fábrica de papel em Havana. O proprietário Christiano Oliveira Saldanha explicou que seria uma experiência de economia mista, em que a indústria paraibana entraria com o investimento e o governo cubano com terrreno, incentivos e infra-estrutura.

“Não existem fábricas de papéis para produção de papel higiênico e guardanapos em Cuba, e os produtos são importados em grandes estoques a cada três meses. Temos interesse em dar prosseguimento na negociação, com apoio da secretaria de Desenvolvimento Econômico do Estado, para viabilizar uma filiar da indústria em solo cubano”, ressaltou.

A Intrafruit recebeu a visita de um representante da empresa Suriplex de Cuba, com escritório em São Paulo, interessada na distribuição de sucos de frutas em Cuba. A empresa agendou uma visita a fábrica da Intrafruit no Distrito Industrial de João Pessoa para conhecer o processo de produção e acertar a distribuição para a ilha.

“Fizemos vários contatos e entregamos catálogos de produto.  Acredito que fecharemos contrato futuro com a Suriplex. Quero agradecer ao governo do Estado pela realização da missão e por estar abrindo às portas das empresas estatais cubanas para a distribuição do nosso produto no mercado caribenho”, explicou o empresário Solidônio Júnior.

As empresas distribuidoras Atacadão do Rio do Peixe e Pau Brasil foram conhecer o mercado cubano e estudar formas de investimentos. Os empresários Deca do Atacadão e Fábio Tayrone fizeram contatos para venda de produtos no atacado para empresas cubanas que vão se instalar no Brasil em busca de mais oferta de crédito.

Calçados – No caso das empresas do pólo calçadistas a expectativa de negócios supera U$$ 500 mil. A indústria Hawaí Calçados conseguiu fechar negócios na ordem de US$ 120 mil em botas de segurança com a Odebrecht e Brás Cubas, principais empresas brasileiras em Cuba.

A Jusceman está fechando com a Cimex uma venda de 12 mil pares de calçados sintéticos e de borracha no valor de U$$ 38 mil, e em negociação com duas empresas estatais para o fornecimento de tênis para os alunos e componentes de PVC reforçado e borracha para montagem de sandálias  na ilha caribenha.

A Jotabê Calçados também fez os primeiros contatos com seis compradores oficiais de empresas estatais interessados em adquirir calçados femininos que não são fabricados na ilha. O empresário João Bosco Florêncio destacou que os primeiros contatos para apresentação dos produtos e preço foram feitos e espera fechar negócios nos próximos meses. A Samara Calçados Infantis também recebeu representantes comerciais de São Paulo e da Suriplex, de Cuba, interessadas em distribuir calçados infantis.

O presidente da Cia Docas Paraíba, Wilbur Jácome, fez uma avaliação positiva da missão. Wilbur destacou que o governo usa o seu perfil institucional para abrir portas em outros países, estreitando as relações dos empresários com inúmeros segmentos de Cuba, facilitando a prospecção de negócios. “Foi excelente o fato de os produtos paraibanos sendo expostos de maneira estratégica e valorizada, dando a credibilidade ideal para o aumento das exportações e promoção da nossa economia”, comentou.

As empresas Transporte Marajó, Intrafrut, Atacadão Rio do Peixe, Vijei Elétrica do Brasil, Fofex Indústrias de papéis, Pau Brasil, Samara Calçados Infantis, Jotabê Indústria e Comércio de Calçados, Calçados Jusceman, Calçados São João e Cia Usina São João participaram das rodadas de negócios.