Fale Conosco

19 de outubro de 2012

Maternidade de Patos amplia coleta de leite materno e pede vasilhames



A Maternidade Dr. Peregrino Filho, de Patos, iniciou uma campanha para coletar junto à população vasilhames de vidro que serão usados para acondicionamento de leite materno. Com esses vasilhames, mulheres que têm leite em excesso podem guardá-lo, evitando o desperdício e formando um banco de leite para o hospital.

A maternidade detém o título “Amigo da Criança” e vem ampliando a coleta de leite em seu lactário, após investimentos realizados pelo Governo do Estado, a exemplo da abertura das UTI materna e neonatal, sala de porcionamento e ampliação de leitos.

Com o aumento da oferta de leite materno há a necessidade de armazená-lo. Por isso a iniciativa da equipe do lactário – formada por seis técnicas de enfermagem, duas enfermeiras e uma nutricionista – de lançar uma campanha, que coletará objetos de vidro como depósitos de maionese e café solúvel. Após limpos e esterilizados, são perfeitos para armazenar o leite.

Bancos – Os vasilhames podem ser entregues no Banco de Leite Drª Vilani Kherle, na maternidade, localizada na Rua Elias Asfora. “A gente tenta com essa ação aproximar mais a população da maternidade e desse serviço tão importante para os recém-nascidos e para suas mães”, disse Silvania Rodrigues, nutricionista intensivista neonatal.

Além do gesto de carinho e amor a captação do leite promove o aleitamento materno exclusivo, estimula as mães a manter a lactação no período em que os seus recém-nascidos estiverem impossibilitados de sugar ao seio, aumenta a captação de doadoras de leite materno e consequentemente o volume de leite disponível para o banco de leite.

Inaugurado em 1º de agosto deste ano pelo Governo do Estado, o lactário da maternidade visa otimizar a captação e distribuição de leite humano para garantir nutrição adequada e segura para o recém-nascido internado na unidade hospitalar.

Como Hospital Amigo da Criança, a Maternidade Dr. Peregrino Filho trabalha intensamente na proteção contra doenças, desenvolvimento e fortalecimento do vínculo mãe-filho. O incentivo ao aleitamento tem sido fundamental nesse sentido.

Muitas vezes os bebês que estão internados e não podem ser amamentados ao seio da mãe por prematuridade, doença e outras dificuldades relacionadas à amamentação, então recebem os benefícios do leite materno da própria mãe ou de doadoras por meio de sonda ou por via oral.

Como funcionaOs profissionais do lactário inicialmente fazem uma triagem dessas puérperas (mulher que pariu recentemente), seguindo critérios de inclusão: mãe de recém-nascidos que estão internados na UTI neonatal, na Unidade de Cuidados Intermediários (UCI), na unidade de ‘mães-canguru’ e  puérperas  saudáveis que têm boa produção de leite e desejam ser doadoras.

Após a triagem as mães são encaminhadas para sala de ordenha onde são orientadas sobre a importância da amamentação, doação de leite e como é feita a ordenha manual. Em seguida o leite cru ordenhado é armazenado. Já o leite ordenhado para doação é encaminhado ao banco de leite humano para posterior pasteurização.

O leite pasteurizado retorna ao lactário para distribuição aos recém-nascidos. Ambos os leites, cru e pasteurizado, são distribuídos conforme a prescrição médica ou nutricional, sendo que o leite cru fornecido exclusivamente da mãe para o próprio filho. A distribuição do leite humano pasteurizado segue os critérios de prioridades estabelecidos pela Anvisa, levando em consideração as necessidades de quem irá consumi-lo.