João Pessoa
Feed de Notícias

Lígia é patrona da primeira turma da Universidade Aberta à Maturidade de Lagoa Seca

quinta-feira, 2 de junho de 2016 - 18:03 - Fotos:  Júnior Fernandes

A vice-governadora Lígia Feliciano prestigiou a colação de grau da primeira turma da Universidade Aberta à Maturidade (Uama), do Campus II de Lagoa Seca. A Universidade é uma parceria com a Universidade Estadual da Paraíba (UEPB) e oferece aos idosos de Campina Grande, Lagoa Seca e Guarabira atividades acadêmicas diversificadas com disciplinas ministradas por professores de diversos departamentos da UEPB e prefeituras.

A Uamateve início a partir de uma experiência que o professor Manoel Freire conheceu na Espanha, durante o mestrado que realizou em 2006. “O propósito maior é reinserir o idoso na vida social, fazer com que ele se sinta vivo e útil novamente. Essa mudança nós já sentimos nos primeiros dias de aula só em olhar para eles.É uma melhora de vida, tira o idoso do isolamento social, agrega conhecimento e interação com outros grupos”, destacou o coordenador da Uama.

Ligia Feliciano foi convidada como patrona da turma e ressaltou a importância da reinserção do idoso em atividades que mantêm a mente e o corpo ativos. “Estou muito feliz e honrada em fazer parte desse momento. É surpreendente ver que essas pessoas têm tanta vitalidade e vontade de aprender. Hoje com os avanços da medicina e a melhoria da qualidade de vida é possível as pessoas viverem mais e melhor, mas também é preciso bastante força de vontade para voltar a uma sala de aula e aprender coisas novas, mesmo com todos os obstáculos que a idade possa trazer. Todos aqui são vencedores”, destacou a vice-governadora.

O agricultor Genival Caetano de Moura, 80 anos, foi um dos formandos dessa primeira turma de 37 alunos da Uamade Lagoa Seca. “Para mim foi muito bom. Conheci muita gente, fiz muitos amigos aqui e vou continuar vindo sempre que tiver encontro”, relatou.A filha de Genival notou que o pai se tornou mais ativo e feliz depois que ingressou na Uama. “Ele ficou mais feliz e comunicativo. Fez muitos amigos e isso deixou ele e todos lá de casa muito felizes”, disse Maria Rosimar, 54 anos.

Para a professora de Gestão Ambiental, Maria do Socorro Bezerra Duarte, a experiência com os idosos foi um aprendizado. “Ao invés de ensinar, eu aprendi. Foi  muito bom esse tempo que eu convivi com eles, foi uma experiência muito enriquecedora”, concluiu.