João Pessoa
Feed de Notícias

Leilão da Receita Estadual é realizado com ágio máximo de até 300%

terça-feira, 5 de março de 2013 - 18:47 - Fotos: 

O primeiro leilão do ano da Secretaria de Estado da Receita terminou no final da manhã desta terça-feira (5) com ágio de 102,53% nos 22 lotes arrematados por empresas e pessoas físicas, no Centro de Operações e Prestações (COP), no Distrito Industrial,em João Pessoa. Ovalor arrecadado atingiu R$ 63,800 mil contra lance inicial mínimo de R$ 31,500 mil. O evento, que teve duração de duas horas, registrou quase 90 participantes entre empresas e pessoas físicas.

O maior ágio veio do lote nº 13 com valor mínimo de R$ 1.500, mas que foi arrematado por R$ 6.000, diferença de 300% do lance inicial. No conteúdo, 106 calças da marca Fiorucci, 500 conjuntos de lingerie classic, 293 camisolas, 600 bonés, além de 1,5 mil calcinhas. Já o menor ágio de apenas 7,5% foi do lote 22, ao ser arrematado por R$ 2.150 contra um valor inicial de R$ 2.000. Entre os bens, estavam duas unidades de banheira de hidromassagem e seis cadeiras de sala de estar.

A presidente da Comissão de Leilão de Mercadorias e Bens Apreendidos, a auditora fiscal Luiza Marilac Guazzi, avaliou como “bem sucedido e acima das expectativas para o primeiro leilão da Receita Estadual. Tivemos uma boa presença de público, uma grande parte dos lotes com disputas acirradas e um ágio que dobrou o valor dos lances iniciais no somatório geral. A ideia agora é manter a Comissão de Leilão acesa para novos certames, inclusive em outras regionais”, comentou.

Já o secretário de Estado da Receita, Marialvo Laureano, afirmou que a realização do certame marca a retomada dos leilões no Fisco Estadual, após sete anos sem o evento. “No nosso planejamento, é possível realizar pelo menos dois leilões por ano, inclusive avaliando a possibilidade de promover nas outras sedes regionais da Receita Estadual”, disse.

Bom negócio – Os empresários que arremataram lotes no primeiro leilão do ano revelaram que fizeram um bom negócio. Um dos lotes que continha material ótico como lentes e armações foi arrematado pelo empresário Bezerra Júnior. O lote 12 tinha lance inicial de R$ 2 mil e foi arrematado por R$ 4,100 mil, sem incidência de ICMS e com nota fiscal de mercadoria legalizada. “Como tenho uma ótica e laboratório e essa mercadoria atende a um consumidor específico, acredito que fiz um excelente negócio”, declarou o empresário. No lote, entre outros produtos tinha 2,5 mil unidades de lentes diversas de cristal, 320 armações de óculos e 290 óculos Caili.

Para o empresário do ramo de bebidas, Walkírio Júnior, que arrematou três lotes de produtos etílicos por R$ 9,650 mil, disse que com o preço do produto no leilão é possível vender e lucrar no mercado.

Dos 23 lotes ofertados, apenas o lote nº 23, que contém um conjunto de matrizes para copos e taças para indústria de plástico, não foi arrematado Ele tinha o maior lance inicial (R$ 75.000,00). “Como se tratava de um produto bem específico para o ramo industrial, ele deixou de ser arrematado e deve voltar no próximo leilão”, revelou o gerente do 1º Núcleo da Receita Estadualem João Pessoa, Manoel Pereira.

A comissão do leilão é formada pelos auditores fiscais tributários estaduais: Luiza Marilac Guazzi (presidente), Romero Rodrigues da Silva (escrivão) e Iractan Vieira Facundo (leiloeiro) e José Ferreira de Barros Junior/ Dirceu Arnaud Filho Auditores-Fiscais Tributário Estadual (classificação e avaliação de bens).