Fale Conosco

4 de maio de 2009

Lançamento do Prêmio Linduarte Noronha de Curta Metragem é comemorado por cineastas



Cineastas reconhecem o Prêmio Linduarte Noronha de Curta Metragem como incentivo à produção cinematográfica paraibana. O prêmio foi lançado pelo governador José Maranhão, na última sexta-feira (1), na Usina Cultural Energisa, em João Pessoa, durante abertura do Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa (Cineport).

O prêmio instituído pelo Governo do Estado, através da Subsecretaria de Cultura, destinará a quantia de R$ 200 mil para financiamento de projetos relacionados à produção de filmes e película de vídeo digital de curta metragem, documentais ou ficcionais.

O cineasta Linduarte Noronha, homenageado duas vezes, pelo próprio festival devido à sua contribuição ao cinema paraibano e nacional e pelo Governo do Estado ao criar um prêmio com o seu nome, reconhece que o prêmio vai ajudar e muito o cinema paraibano. "Muita surpresa. Nunca esperava isso. Eu não sabia, de maneira nenhuma, da existência desse prêmio. Isso vai ajudar muito o cinema paraibano, claro que vai", disse Linduarte, se referindo ao fato do governador José Maranhão ter surpreendido a todos no Cineport com o lançamento do novo prêmio.

Já o cineasta Manfredo Caldas é da opinião que o prêmio Linduarte Noronha vai ser importante não só para as novas gerações de cineastas, mas para as gerações antigas que sobrevivem do estoicismo. "Os cinemas paraibano e brasileiro, numa forma em geral, vivem do estoicismo de seus cineastas. E quando surge um prêmio desses, de incentivo, é sempre uma coisa bem vinda e que vem para solidificar cada vez mais a força do cinema paraibano", complementou.

Para o presidente da Academia Paraibana de Cinema, Willis Leal, o prêmio tem um duplo sentido: homenagem a Linduarte Noronha, mas também no se constitui em um grande incentivo ao cinema paraibano. Ele considera a iniciativa do Governo Estado altamente positiva e acredita merecedora de aplausos de todos os setores ligados à atividade cinematográfica.

"Deram o nome de Linduarte Noronha ao prêmio para simbolizar que é um cinema de preocupação cultural. O concurso é um prêmio que se vincula a essa realidade cultural que se quer produzir, ou seja, um cinema voltado para grandeza humana, para a exaltação da terra e dos seus valores mais reais, cujo símbolo é Aruanda e o personagem Linduarte Noronha", comentou.

Mônica Botelho, presidente da Fundação Cultural Ormeo Junqueira Botelho, instituição mantida pelo Grupo Energisa, disse que a iniciativa do Governo do Estado é realmente maravilhosa. Ela, que também coordena o Cineport, acrescenta que o Festival de Cinema de Países de Língua Portuguesa, de alguma maneira, também colaborou na discussão que contribuiu para a instituição do prêmio. "Na medida que a gente tem aqui um grande evento de cinema, é importante que o Governo do Estado contribua na verdade para o movimento cinematográfico da Paraíba, e o governador José Maranhão deu essa resposta de forma rápida. Fiquei muito feliz", concluiu.