Fale Conosco

18 de dezembro de 2012

Lacen da Paraíba recebe nova certificação do Ministério da Saúde



O Laboratório Central de Saúde Pública da Paraíba (Lacen-PB)  foi certificado pela Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde como nível D do Porte III. O Governo Federal levou em consideração a melhoria na infraestrutura, a implementação do Sistema da Qualidade e implantação do Sistema de gerenciamento do Ambiente Laboratorial (GAL) em todos os municípios do Estado, agilizando a entrega dos resultados dos exames realizados no laboratório.

Desde o ano passado, o Lacen entrega os exames pela internet. “Antes o laboratório era do Porte A, Nível III, e essa conquista era há muito tempo almejada por todos”, afirmou a diretora do Lacen, Marta Rejane Felinto.

Também foram avaliados pelos técnicos do Ministério da Saúde os critérios de biossegurança que foram implantados, por meio de sensibilização do corpo técnico, aquisição de equipamento de proteção individual e coletiva; manutenção preventiva e corretiva de equipamentos, o que proporcionou melhores condições de trabalho e também da qualidade das atividades executadas pelo laboratório. “Somos referência estadual para o diagnóstico dos agravos de saúde pública, que são as doenças transmissíveis e parasitárias”, destacou Marta Rejane.

Com a mudança de nível, segundo Marta Rejane Felinto, a partir de agora o Lacen terá um aumento no repasse do financiamento das atividades pelo Ministério da Saúde, além de abrir acesso à implantação de serviços para novos diagnósticos e para construção de uma nova sede.

A diretora do laboratório explicou que, segundo a portaria 2.032, de 2004, os Lacen são laboratórios de referência estadual, localizados nas capitais dos estados, vinculados às Secretarias Estaduais de Saúde. O serviço faz parte do Sistema Nacional de Laboratórios de Saúde Pública (Sislab), que é composto de um conjunto de redes nacionais de laboratórios, organizados em sub-redes, por agravos ou programas; de forma hierarquizada, por grau de complexidade das atividades, relacionadas à vigilância epidemiológica, vigilância ambiental em saúde e, vigilância sanitária e assistência médica.

Os Lacen são coordenados em nível nacional pela Secretaria de Vigilância à Saúde do Ministério da Saúde, que é responsável pelas políticas de promoção, coordenação, apoio e fomento de ações, objetivando a melhoria contínua dos serviços prestados pelos laboratórios de Vigilância Epidemiológica e Ambiental em Saúde.

Missão – O Lacen tem a missão de realizar exames de saúde pública de média e alta complexidade para a geração de informações necessárias às ações da vigilância epidemiológica do Estado. Também realiza exames nas áreas de produtos e meio ambiente para análises de águas e alimentos, dosagem da colinesterase em agentes ambientais atendendo ao Programa de Saúde do Trabalhador, procedimentos necessários às ações da Vigilância Sanitária e Ambiental; supervisiona, coordena, capacita e garante a qualidade da Rede Laboratorial de Saúde Pública do Estado da Paraíba e atende de forma participativa e efetiva os surtos, juntamente com as áreas de vigilâncias em saúde (epidemiológica, ambiental e sanitária).

Rapidez nos exames – Depois da implantação do Gerenciador do Ambiente Laboratorial (GAL), uma ferramenta informatizada criada pelo Datasus, o Lacen emite, mensalmente, 15 mil resultados de análises em tempo real. O novo sistema começou a funcionar em junho do ano passado e, no tempo recorde de cinco meses, foram capacitados profissionais em todos os 223 municípios paraibanos para cadastrar as amostras biológicas e acessar os resultados.

A emissão dos resultados dos mais de 50 tipos de exames é instantânea. Em todas as Gerências Regionais de Saúde (GRS), o GAL permite acesso online aos dados. Sem o sistema, a entrega dos resultados demoraria até sete dias. “Em cada cidade foram capacitados dois técnicos para utilizar o sistema. As amostras, antes de serem enviadas ao Lacen, são cadastradas no sistema e cada técnico possui uma senha individual e intransferível. Eles assinaram um termo de confidencialidade e são os únicos responsáveis por retirar os resultados e entregá-los aos solicitantes”, explicou a diretora do Lacen, Marta Rejane Lemos Felinto.