Fale Conosco

15 de julho de 2009

Laboratório Central capacita mais 70 profissionais em biossegurança



Preocupado com a segurança de seus funcionários, o Laboratório Central do Estado (Lacen) realiza, nestas quarta (15) e quinta-feira (16), a segunda etapa da capacitação em biossegurança para laboratórios de saúde pública. Uma turma de 70 profissionais participa do curso. Em maio deste ano, o Lacen capacitou 37 funcionários e vai treinar todos os profissionais dos laboratórios da rede pública do Estado. O Laboratório realiza diariamente cerca de 350 exames de média e alta complexidades.

A chefe do Núcleo de Controle de Qualidade e Biossegurança do Lacen, Patrícia Valadares Gusmão, explicou que estão sendo treinados desde o diretor até o funcionário que cuida da limpeza do órgão. “Além dos funcionários do Lacen, abrimos algumas vagas para outros profissionais que atuam na Maternidade Frei Damião e no Hospital Clementino Fraga”, explicou ela, destacando que até o próximo mês o Laboratório pretende capacitar todos os seus 130 funcionários.

Ela disse, ainda, que além desses treinamentos, está sendo confeccionada uma cartilha sobre biossegurança, que será distribuída com os profissionais dos laboratórios. Em uma outra fase, o treinamento será estendido a todas as Regionais de Saúde do Estado com objetivo de atender à rede de laboratórios públicos da Paraíba. “Com essa capacitação quem ganha são os próprios funcionários, que aprenderão normas para a sua própria segurança e, com isso, estarão prevenindo uma contaminação”, destacou.

Patrícia Valadares afirmou que a biossegurança é um trabalho educativo e de constante sensibilização e alerta. Por isso, serão oferecidos, constantemente, cursos de capacitação e atualização. Ela explica que o laboratório é uma área de trabalho considerada crítica e de alto risco de contaminação.

Durante a capacitação, os funcionários recebem informações sobre as normas de biossegurança e aprendem a utilizar de forma correta os equipamentos de proteção individual (EPIs), a exemplo de luvas, óculos, máscaras e jalecos, como também os de uso coletivo (EPCs), como cabine de segurança biológica, capela de exaustão química, o chuveiro de emergência e o lava olho.

Os funcionários também aprendem a manusear e utilizar os produtos químicos de forma correta. Durante o treinamento, acontecem demonstrações práticas sobre o uso correto dessas substâncias.

Assessoria de Imprensa da SES-PB