João Pessoa
Feed de Notícias

Jogos da copa de futsal movimenta presídios paraibanos

terça-feira, 18 de novembro de 2014 - 16:57 - Fotos: 

Treze unidades prisionais da Paraíba estão realizando torneios de futsal entre os apenados, com a participação de 71 equipes que agregam 503 reclusos. Os jogos tiveram inicio nesta segunda-feira (17), no Presídio Padrão de Santa Rita, e prosseguem até o mês de dezembro, como forma de oferecer atividades físicas às pessoas privadas de liberdade, numa promoção da Secretaria de Administração Penitenciária (Seap), por intermédio da sua Gerência de Ressocialização, dentro do programa Cidadania é Liberdade, que contempla atividades esportivas em um dos eixos temáticos.

O torneio acontece no Presídio Padrão de Santa Rita, Penitenciária Regional de Campina Grande Raimundo Asfora (Serrotão), Penitenciária Regional Padrão de Campina Grande (Máxima), Penitenciária João Bosco Carneiro e Cadeia Pública de Guarabira, Penitenciária Padrão Romero Nóbrega de Patos, Penitenciária Padrão Regional de Cajazeiras, Colônia Agrícola Penal de Sousa, Presídio Padrão de Catolé do Rocha, Cadeia Pública de Bayeux, Penitenciária Desembargador Flósculo da Nóbrega (Presídio do Róger), Penitenciária Desembargador Silvio Porto e Penitenciária de Segurança Máxima Criminalista Geraldo Beltrão, estas últimas localizadas na capital.

Para o secretário da Administração Penitenciária, Wallber Virgolino, o evento esportivo compõe uma série de ações de ressocialização implantadas pela Seap, que tem como meta o resgate da dignidade dos reclusos. “Nosso objetivo é reintegrar o apenado cada vez mais à sociedade. Desde que chegamos à secretaria estamos priorizando ações no sentido de dar dignidade e aumentar a autoestima das pessoas que estão pagando por algum erro, mas que irão voltar ao convívio social e precisam sair do cárcere bem melhores do que entraram. Estas ações confluem com outras atividades de cidadania, a exemplo dos cursos profissionalizantes oferecidos pelo Pronatec, a participação nos salões de artesanato, os mutirões judiciários e as ações de saúde que acontecem cotidianamente dentro dos presídios”, afirmou.