Fale Conosco

29 de março de 2017

Iphaep recupera Casarão dos Azulejos e serviços devem começar em maio



O Casarão dos Azulejos, pertencente à Secretaria de Estado da Cultura e tombado pelo Governo do Estado, por meio do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba (Iphaep), será recuperado e, após a execução do projeto, entregue à Secult para a destinação do seu uso. “Faltam apenas alguns ajustes no projeto, para que a obra seja iniciada. A previsão de início será no mês de maio”, anuncia a diretora executiva do patrimônio estadual, Cassandra Figueiredo Dias.

Segundo ela, todos sabem que um imóvel sem uso contribui, consideravelmente, no aceleramento do processo de degradação, ainda mais uma edificação construída no século XIX, exemplar significativo de um bem patrimonial. “Portanto, é a partir da preocupação com a recuperação e a observância quanto ao procedimento de intervenções em um imóvel tombado que estão sendo finalizados todos os estudos para o início da obra”, explicou Cassandra.

Um Memorial Descritivo referente à conservação do Casarão dos Azulejos está sendo finalizado e será entregue, ainda na primeira quinzena do mês de abril, à diretoria do Iphaep. A autoria do projeto é resultado do trabalho de dois dos técnicos do patrimônio estadual: os arquitetos e urbanistas Gabriela Pontes Monteiro  (Coordenadora de Arquitetura e Ecologia) e Danilo Bezerra de Oliveira (Coordenador Adjunto da Comissão do Centro Histórico de João Pessoa). “Osserviços previstos são resultados de uma TAC – Termo de Ajustamento de Conduta – e compreendem procedimentos de manutenção e reparação, buscando tratar e corrigir danos para manter a integridade física e o bom funcionamento da edificação”, diz o documento.

A realização de obras no imóvel vem em decorrência da aplicação de recursos provenientes da reversão de danos ocasionados a outro imóvel, situado no município de João Pessoa/PB. “Ressaltamos que o projeto apresenta, prioritariamente, medidas emergenciais para a contenção dos danos e consolidação do invólucro da edificação, impedindo que os agentes responsáveis por sua deterioração avancem, evitando assim maiores perdas”, detalharam os arquitetos do Iphaep.

O Memorial Descritivo explica quais os objetivos da intervenção do imóvel, construído no século XIX, dizendo que a proposta do Iphaep é efetuar serviços de conservação e preservação no Casarão dos Azulejos, para corrigir danos causados por agentes diversos, conter o avanço do processo de degradação presente e estabilizar o bem como um todo. “Pretende-se aproveitar a intervenção para promover melhorias pontuais de acessibilidade e de instalações prediais, garantindo um bom funcionamento da edificação”, adiantou.

A equipe da Coordenadoria de Arquitetura e Ecologia do Iphaep elaborou o projeto de arquitetura e a listagem e descrição de serviços a serem executados no Casarão dos Azulejos, observando, criteriosamente, as diretrizes normativas previstas no Decreto Estadual nº 25.138/2004, referente à delimitação do Centro Histórico de João Pessoa. “No presente trabalho será feita a identificação dos problemas existentes, resultando na indicação dos procedimentos técnicos a serem cumpridos para solucionar as patologias encontradas. Por fim, serão descritos e quantificados os serviços de manutenção e reparo necessários para a conservação do Casarão dos Azulejos”, diz o documento.

Imóvel secular – O Casarão dos Azulejos foi construído no século XIX, está localizado na esquina entre a Praça Dom Adauto e a Rua Conselheiro Henriques, Centro de João Pessoa/PB. O imóvel, de nº 159, foi inicialmente conhecido como Sobrado Comendador Santos Coelho. Os arquitetos do Iphaep lembram que ele é um imóvel de singular valor artístico, por se tratar de um dos últimos remanescentes que apresentam a utilização de azulejaria portuguesa em suas fachadas. É tombado através do Decreto Estadual nº 8.632/1980.

Além disso, a edificação situa-se em uma das quadras mais antigas da capital, compondo o traçado e a paisagem urbana juntamente com as igrejas e casario do seu entorno. “O Casarão integra um conjunto de bens imóveis de incontestável valor cultural, protegido pelo tombamento do Centro Histórico de João Pessoa, homologado tanto na esfera estadual (através do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico do Estado da Paraíba-Iphaep), como na nacional (através do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional- Iphan”, revela a diretora do patrimônio estadual.

Conforme lembra Cassandra Figueiredo, a elaboração do projeto do Memorial seguiu as seguintes etapas: Pesquisa em arquivos e projetos anteriores; vistorias técnicas no imóvel; levantamento métrico para correções de dados; levantamento fotográfico para registro da situação atual; análise do estado de conservação dos elementos arquitetônicos e estruturais e o mapeamento de danos externos (desenhos arquitetônicos em AutoCad e quadro ilustrado de esquadrias).

Além disso, também foi executada a proposta de projeto de conservação (desenhos técnicos e descrição de procedimentos a serem adotados); quantitativos (preenchimento do memorial de cálculo) e, por último, a composição de planilha de serviços e de orçamento. “Estamos esperando apenas a confirmação desse último dado – a planilha de serviços e de orçamento – para que a obra no Casarão dos Azulejos seja iniciada”, diz Cassandra. “Isso deve acontecer, provavelmente, até o fim de abril ou começo de maio”.