Fale Conosco

20 de julho de 2012

Investimentos do Fida irão beneficiar agricultores, mineradores e artesãos



Fotos Teste DavidO convênio que será assinado entre o Governo do Estado e o Fundo Internacional de Desenvolvimento Agrícola (Fida), cujo montante de US$ 25 milhões foi aprovado nesta semana pelo Senado, vai garantir ações de inclusão social nas regiões do Cariri e Seridó, beneficiando 170 mil habitantes de 35 mil domicílios rurais da Paraíba.

O projeto atuará em 55 municípios localizados na região conhecida como “Polígono da Seca” por ser uma área onde a probabilidade de estiagem prolongada é acima de 90% e tem o menor Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) do semiárido.

Dos 35 mil estabelecimentos rurais a serem incluídos, mais de 56% são imóveis com menos de 10 hectares. A previsão é de que sejam atendidas diretamente 28 mil famílias rurais pobres, das quais 25 mil são pequenos agricultores e 3 mil são famílias rurais sem terra.

Serão beneficiados 8.100 pequenos agricultores, 1.100 pequenos mineradores e 800 artesãos organizados em 100 associações e 30 cooperativas.

Diagnóstico – Serão contratados agentes de desenvolvimento que vão identificar os principais problemas de cada região e buscar soluções adequadas a cada realidade.

O secretário Marenilson Batista (Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca) afirma que o Governo já tem diversos projetos com foco na redução da pobreza rural e na diminuição da desertificação, mas assegura que essa parceria potencializará o pequeno produtor rural e mineradores.

“O projeto vai desde o desenvolvimento humano que conscientiza o pequeno produtor sobre a importância da preservação do meio ambiente até a sua forma de produzir, transformar e comercializar o seu produto no mercado. Nós acreditamos que já no primeiro ano teremos resposta não somente no crescimento das plantas, mas na conscientização dos agricultores contra o desmatamento e produção do semiárido. Não se trata apenas da resposta econômica, mas de mudar a mentalidade”, acrescentou o secretário.

Para a equipe técnica que acompanhou a elaboração do projeto na Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, os investimentos a curto e longo prazo permitirão que as regiões mudem de categoria social e econômica, já que os agricultores terão capacitação e orientação técnica.

Está prevista a capacitação de 4 mil jovens, sendo 50% mulheres, que receberão apoio adequado na produção e comercialização dos seus produtos. A política de inclusão social que o projeto vai viabilizar, segundo estimam os técnicos, transformará a região com repercussão em todo o Estado.

Consolidação do convênio – Até o mês de setembro, a Secretaria de Desenvolvimento da Agropecuária e da Pesca, a Emater e a Emepa reunirão a documentação que será levada ao comitê central do Fida, em Roma.

O Fida é uma organização das Nações Unidas (ONU), sediada em Roma, Itália, tal como a Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) e o Programa Alimentar Mundial (PAM).

Desde que iniciou suas operações em 1978, o Fida investiu U$$ 11,5 bilhões em 838 projetos e programas realizados em 117 países e territórios, beneficiando uma população de cerca de 350 milhões de pobres no mundo rural.

O objetivo do financiamento é financiar parcialmente o Projeto de Desenvolvimento Sustentável do Cariri e Seridó (Procase). Com esses recursos será possível reduzir os níveis de pobreza do semiárido, melhorando o desenvolvimento da economia dessa região. Outra ação fundamental será o combate à desertificação com a implantação de uma melhor gestão dos recursos naturais, sobretudo na área de caatinga.